Sindicato e centrais sindicais em defesa dos trabalhadores das Lojas Americanas

Nesta sexta-feira, dia 03, às 10h, o Sindicato dos Comerciários e as centrais sindicais (CTB, CUT, UGT, NCST, Força Sindical, CSB, CNTC e Contracs) realizarão um grande ato nacional unificado em defesa dos 44 mil trabalhadores das Lojas Americanas e suas famílias.

lojas americanas

“Precisamos preservar os empregos e garantir os direitos desses trabalhadores e trabalhadoras. São milhares de pais e mães de famílias apreensivos pela situação do Grupo Americanas. O Sindicato já está nas lojas em contato com os funcionários. Também estamos com nosso departamento jurídico em ação para receber denúncias e tirar dúvidas que possam surgir. Caso seja constatada a fraude, é preciso punir os principais acionistas, porém garantindo a continuidade da empresa e dos empregos”, alerta Márcio Ayer, presidente do Sindicato dos Comerciários.

Andamento do caso

-O grupo entrou em recuperação judicial;

Representantes sindicais entraram com uma Ação Civil Pública na 8ª Vara do Trabalho de Brasília para garantir os direitos dos mais de 44 mil trabalhadores do Grupo Americanas;

-A ação pede o bloqueio do valor de R$ 1,53 bilhão dos sócios majoritários para segurança contra a ameaça de descumprimento dos direitos e dos processos trabalhistas. A ação busca ainda garantir que o patrimônio pessoal dos acionistas possa ser executado independentemente do processamento da recuperação judicial.

-O departamento jurídico do Sindicato acompanha o caso e está a disposição dos comerciários do grupo através do telefone (21) 3266-4168.

Nota das centrais sindicais sobre Lojas Americanas

As centrais sindicais unificadas em reunião com o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, nessa segunda-feira, 30/01/2023, em São Paulo, discutiram o processo de recuperação judicial do Grupo Americanas e reforçaram a necessidade de garantia dos empregos e dos direitos dos mais de 44 mil trabalhadores diretos e de centenas de milhares de trabalhadores de toda a rede de fornecedores.

A atividade econômica, as empresas e os empregos tem que ser preservados independente das responsabilidades dos executivos, controladores e acionistas relevantes do Grupo Americanas, que ainda estão sendo apuradas.

Se os indícios de fraude forem provados, os culpados devem ser punidos, mas a empresa e os empregos precisam ser preservados.

Por esses motivos, as centrais solicitaram ao Ministro do Trabalho e Emprego que o Governo participe diretamente do processo com o objetivo de estabelecer diálogo tripartite e total transparência neste que é um dos maiores processos de recuperação empresarial do país.

Diante da gravidade do problema, as centrais sindicais unificadas convocam toda a sociedade para o ato no dia 03 de janeiro (sexta-feira), às 10 horas, na Cinelândia no Rio de Janeiro (RJ).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =