Proposta dos patrões de lojas e shoppings melhora, mas ainda insuficiente

A segunda rodada de negociação entre o Sindicato e os patrões de lojas e shoppings, que aconteceu nesta terça (7), trouxe uma proposta melhor, mas que ainda é muito insuficiente para a necessidade dos comerciários no momento. Além disso, as empresas insistem em retirar uma série de direitos, que o Sindicato já respondeu que não aceitará. Retrocesso, não!!!

lojas

Se na primeira negociação eles ofereceram 0% de reajuste, agora querem dar 6,5%, sendo 3% em maio e 3,5% em setembro. Apesar da melhora, o Sindicato rejeitou essa nova proposta, já que sequer contempla a inflação, que ficou em 12,47% (INPC). 

Além disso, os patrões insistem com o aumento da carga horária para quem trabalha aos domingos e feriados, abertura das lojas no dia 1º de janeiro (Ano Novo) e o dia inteiro na quarta-feira de cinzas, além de retirar o Benefício Social Familiar.

“Essa proposta está muito abaixo da inflação, não dá pra aceitar. Além disso, continuam insistindo em retirar alguns direitos, o que já respondemos negativamente. Não aceitaremos retrocessos. Queremos continuar as negociações para que possam avançar e chegarmos a um valor melhor. Esperamos que a próxima reunião traga realmente um índice que possamos avaliar e levar para os trabalhadores. Não dá pra manter o salário achatado enquanto tudo sobe de preço”, avalia Márcio Ayer, presidente do Sindicato dos Comerciários.

O Sindicato continuará com a campanha salarial pelas ruas para mobilizar os trabalhadores e alertar contra a tentativa de retirada de direitos já garantidos na convenção coletiva. Essa é a hora dos comerciários participarem na luta por melhores salários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

12 + dezessete =