Atacadistas de material de construção definem reivindicações

postado em: Notícias | 0
Diretores do Sindicato apresentaram panorama atual das negociações no comércio

 

Os comerciários atacadistas de material de construção aprovaram por unanimidade na noite de terça-feira (04/09) a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2018. Dentre os pontos estão o reajuste de 8% nos salários, piso de R$ 1.242,00, R$25 de auxílio refeição diário, garantia do comissionista no valor de R$ 1.366,20, além de cláusulas como licença paternidade de 20 dias e homologações de contrato feitas junto ao sindicato laboral. A partir de agora, o Sindicato vai chamar os patrões para começar as negociações.

“As negociações da Campanha Salarial deste ano não estão fáceis, além de todo choro anual dos patrões, temos também a Reforma Trabalhista que retira direitos dos trabalhadores. A única forma de nos protegermos desses abusos é construindo uma convenção coletiva forte, que deixe os comerciários blindados contra esses abusos. Vamos juntos rumo à vitória”, garantiu a presidenta Alexsandra Nogueira.

Presidenta Alexsandra Nogueira apresenta o resultado da votação para o comerciários

A assembleia definiu também pontos como a obrigatoriedade das homologações de rescisões de contratos sejam feitas no Sindicato, para impedir fraudes e descontos indevidos. Outra reivindicação da categoria é a garantia de emprego durante os 24 meses anteriores à data em que o comerciário adquire o direito de se aposentar. A única exigência é que esteja na empresa há pelo menos cinco anos. Para aqueles que trabalham como operadores de caixa, a luta é para que o valor da quebra de caixa chegue a 10% dos salários.

Comércio em greve – A luta dos comerciários do Rio que fazem parte de outras bases, como lojistas de shopping e trabalhadores de supermercados, segue firme. Com mais de 20 dias de paralisações em toda a cidade e mais de 4 meses de negociação, os comerciários têm feito as negociações andarem.

“Iniciamos hoje as negociações para esse grupo de trabalhadores, mas estamos desde maio enfrentando os efeitos da Reforma Trabalhista durante a Campanha Salarial. A luta é grande, mas estamos firmes, buscando a valorização e melhores condições de trabalho. É um momento histórico para todos os comerciários e tenho certeza que aqui não vai ser diferente.”, garantiu o presidente licenciado Márcio Ayer, comerciário do ramo de material de construção. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 1 =