CTB questiona carta sindical dada ao Sindsuper por Ministério

postado em: Notícias | 0
Imagem: Portal CTB

Portal CTB – Na manhã desta terça-feira (5), durante a reunião do Conselho de Relações do Trabalho, Wagner Gomes, secretário-geral da CTB, protestou de forma enérgica contra a postura da Secretaria de Relações do Trabalho diante processo que envolve o problema do Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro.

Atualmente coordenada por Carlos Cavalcante de Lacerda, a Secretaria retém um recurso que questiona a fundação ilegal do Sindsuper, uma entidade fantasma criada para dividir a base dos comerciários do Rio de Janeiro.

Wagner Gomes, reforçou que é inadmissível que o Ministério aceite a quebra da unicidade sindical – que garante entidades fortes – e não reverta a carta de um sindicato ilegal. “A Secretaria não julga o recurso e segura os documentos. A CTB sempre travou uma batalha pelo fortalecimento pelo fortalecimento do MTE. Mas se necessário recorrerá à justiça para resolver essa situação”, garantiu.

O protesto do dirigente da CTB foi acolhido pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que confirmou a preocupante situação que envolve a concessão de cartas a sindicatos ilegais. “Realmente nos últimos anos desconfigurou-se o princípio da unicidade sindical e foram concedidas cartas a alguns sindicatos por estabelecimento, por subdivisão de categoria. Isso no nosso entendimento é inconstitucional. Sempre defendi a organização sindical por categoria e por base territorial de representação. Sempre fiz um apelo às centrais para que nos ajudassem a evitar situações como essa enfrentada pela CTB e os comerciários do Rio de Janeiro”.

Mais uma vez, o ministro se comprometeu a priorizar a resolução do problema. “Vamos priorizar a resolução dessa situação. É o meu compromisso como ministro. Essa situação pela qual passa a CTB, nenhuma outra central passará, para garantir que o movimento sindical não seja esfacelado”, comprometeu-se o ministro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro + doze =