Demitidos da Hermes se articulam para exigir seus direitos

postado em: Notícias | 0
Foto: Wellington Santos/ Comerciários
Foto: Wellington Santos/ Comerciários

Em processo de recuperação judicial, a empresa Hermes demitiu 621 funcionários no Rio. Nenhum deles, até o momento, recebeu suas verbas rescisórias e tampouco teve acesso ao Seguro Desemprego e ao FGTS. Para discutir estratégias para que todos recebam o que é devido pela empresa, um grupo de demitidos participou de reunião, nessa terça-feira (24), no Sindicato dos Comerciários do Rio.

A reunião contou com a participação de 36 ex-funcionários da Hermes, que expuseram sua situação, tiraram dúvidas e discutiram com os diretores do Sindicato a melhor forma para receber seus direitos.

Os trabalhadores ficaram sabendo que existem duas possibilidades. Na primeira delas, podem optar por fazer a homologação das demissões com ressalvas, apenas para ter acesso ao FGTS e dar entrada no Seguro-Desemprego. Nesse caso, teriam que ajuizar ação na Justiça do Trabalho para que fossem reconhecidos como credores da Hermes. A sentença desta primeira ação serviria como base para uma outra ação na Justiça comum. Um caminho longo e tortuoso, que é bem ilustrado pelo exemplo dos trabalhadores demitidos da antiga Mesbla, muitos dos quais esperam desde 1999 para receber.

Caminho mais rápido A alternativa é aguardar que a falência seja decretada pelo juiz que acompanha o processo de recuperação judicial da empresa, o que pode acontecer a qualquer momento. A partir daí, o Sindicato poderia homologar as rescisões e dar aos trabalhadores acesso às guias do FGTS e do Seguro-Desemprego, enquanto a empresa deveria apresentar um plano de pagamentos para quitar todas as suas dívidas trabalhistas.

“Com todo o apoio do Sindicato, os demitidos da Hermes deveriam acampar na porta do Fórum para exigir que a falência seja decretada de uma vez por todas, seguido do pagamento das verbas rescisórias a todos os ex-funcionários”, sugeriu o diretor do Sindicato José Cláudio Nogueira. “De qualquer forma, nosso Departamento Jurídico está acompanhando bem de perto a questão e vai tomar todas as medidas necessárias para garantir, o quanto antes, o pagamento de tudo o que é devido a vocês”, acrescentou o dirigente.

Evitar riscos – O diretor do Sindicato Paulo Henrique da Silva vem acompanhando a situação dos ex-funcionários por meio do grupo de WhatsApps criado especialmente para esse objetivo. Ele contou que recebeu ligação do setor de recursos humanos da Hermes, que disse também estar pressionando o juiz a acelerar a liberação das guias aos trabalhadores. “Sei que está todo mundo revoltado e com pressa, mas é melhor esperar um pouco para que nenhum direito seja deixado para trás. O Sindicato já está fazendo tudo o que é possível para que todos recebam. Só não queremos que vocês corram riscos. O momento é de pressão sobre a Justiça. Devemos estar mobilizados, confiando no apoio dado pelo Sindicato e seu Departamento Jurídico”, disse Paulo Henrique.

O diretor se comprometeu a combinar com os ex-funcionários, via WhatsApp, as datas e locais das possíveis manifestações e novas reuniões. Ele acrescentou que o Departamento Jurídico do Sindicato está à disposição das trabalhadoras e trabalhadores para resolver outras pendências da empresa, como o não pagamento de horas extras, adicional de periculosidade, casos de assédio moral, etc. Lembrou que para ser atendido não é preciso marcar hora, basta vir aos plantões jurídicos do Sindicato, que acontecem na Sede (R. André Cavalcanti, 33 – Lapa/ de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h30), no Núcleo de Campo Grande (R. Iaçu, 74/ segundas e sextas-feiras, das 9h às 16h30) e no Núcleo do BarraShopping (1º piso/ terças-feiras das 9h às 13h e quintas-feiras, das 13h às 17h).

Mobilização pelo WhatsApp – Para entrar no grupo da Hermes, mande um zap para o Sindicato pelo número (21) 96697-5260.  A partir daí você estará em contato direto com nossa diretoria, poderá tirar dúvidas, dar sugestões e ainda receberá informações sobre toda a agenda da Campanha Salarial.

Além dos diretores já citados, também participaram da reunião a vice-presidenta do Sindicato, Alexsandra Nogueira, o delegado sindical Marcelo Bizerra e o diretor Marcelo Max.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 5 =