SECRJ cobra normas de segurança do trabalho na C&A

postado em: Notícias | 0
A diretora de Delegacias Rosângela Rocha no estoque da loja da C&A na Rua do Ouvidor: pontas cortantes
A diretora de Delegacias Rosângela Rocha no estoque da C&A na Rua do Ouvidor: pontas cortantes

Provocado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), a equipe do Setor de Denúncias do SECRJ realizou na ÚLTIMA SEMANA uma inspeção para verificar o cumprimento das normas coletivas de segurança no trabalho nas filiais da rede C&A nas ruas da Quitanda (nº 25) e do Ouvidor (nº 182), no Centro do Rio. O MPT havia apontado várias irregularidades em ambos os estabelecimentos, como cadeiras das operadoras de caixa fora dos padrões, escadas inadequadas no setor de estoque e quinas e cantos vivos que representam ameaça à saúde dos funcionários em vários postos de trabalho.

“Embora a C&A tenha atendido as exigências do MPT na área dos caixas, encontramos muitas outras quinas e pontas cortantes nos salões das lojas e, principalmente, nos setores de estoque. A situação da refrigeração na loja da Rua do Ouvidor também é precária. Além de se preocupar com o bem estar dos clientes, a empresa precisa ter compromisso com a segurança e a integridade dos seus funcionários. Antes ninguém olhava por eles, agora o SECRJ está de olho”, comentou a diretora de Delegacias e Políticas Sociais, Rosângela Rocha, que liderou a ação, acompanhada por dois advogados do Setor de Denúncias do SECRJ.

Ao final da inspeção, a gerência das lojas foi informada de que tem prazo de dez dias para atender às exigências apontadas. Embora a fiscalização tenha se limitado, por enquanto, às duas filiais no Centro do Rio, a empresa terá que adequar toda sua rede no município. “Não vamos nos limitar a estas duas lojas e nem a esta empresa. As normas de segurança valem para todos os trabalhadores brasileiros. Vamos fazer o que nos compete, que é exigir o seu cumprimento, ao menos, para os empregados no comércio do Rio de Janeiro, Miguel Pereira e Paty do Alferes”, completou Rosângela.

Foto: Rafael Rodrigues/ SECRJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + 13 =