Cada ano de estudo aumenta salário em 15%

postado em: Notícias, SECRJ | 0

Pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostra que cada ano de estudo representa, em média, 15% a mais no contracheque. Por reconhecer a importância da educação, o SECRJ mantém convênios com instituições de ensino que já beneficiaram centenas de associados. As opções são muitas, desde faculdades a escolas de idiomas, passando por colégios e diversos cursos profissionalizantes.

Clique aqui para saber mais sobre a pesquisa.
Clique aqui para ler a relação de convênios com instituições de ensino.
Clique aqui para ler a relação de convênios com cursos de idiomas.

Os descontos variam de 5% a 70%, dependendo do curso e da instituição escolhida. Os associados têm acesso a algumas das melhores referências do mercado, o que garante uma formação sólida capaz de aumentar o nível de empregabilidade e ampliar o horizonte profissional.
Apenas 5% tem curso superior – O investimento em Educação é a melhor forma de mudar o retrato atual do trabalhador no comércio do Rio de Janeiro, que, apesar da grande dedicação e extensa carga de trabalho, ainda recebe salários muito aquém de todo esse esforço. De acordo com dados do IBGE, 74,76% da categoria em que estão inseridos os comerciários (trabalhadores dos serviços, vendedores do comércio e dos mercados) ganham, no máximo, dois salários mínimos.
Os dados são do Censo de 2010, mas ainda podem ser usados como referência fiel da realidade verificada no dia a dia. O mesmo estudo mostra que a maioria dos trabalhadores do setor – 51,66% – tem até 34 anos. E somente 5,49% possuem curso superior. Uma grande parte (43,31%) tem ensino médio ou superior incompleto e outros 23,62% ainda não conseguiram completar o antigo 2º grau.

Outro patamar – Se cada ano de estudo representa aumento real na remuneração, é preciso que o trabalhador busque cada vez mais ampliar sua qualificação e formação profissional. Alguns associados já descobriram que SECRJ pode ser a ajuda que faltava para a conquista deste objetivo.
É o caso de Daniele da Silva dos Santos Moretti, de 34 anos, que há pouco mais de dois anos utiliza o convênio do Sindicato com a Faculdade Castelo Branco para obter desconto no curso de Logística. O abatimento de 20% representa uma economia de aproximadamente R$ 105,00 para a comerciária, auxiliar de gerência de uma grande loja de departamentos.

“O desconto ajuda muito!”, empolga-se Daniele. “Se não fosse por ele, seria difícil arcar com o valor da mensalidade e fazer a faculdade”. A proximidade da formatura – falta apenas um semestre – já permitiu que a comerciária participasse do primeiro processo de seleção para a área que escolheu trabalhar após a formatura: e-commerce (comércio eletrônico). Uma atividade que ela pode continuar exercendo na própria empresa em que trabalha.

“Estou participando da seleção e na expectativa pelo resultado, que deve sair em fevereiro do ano que vem. Aí, vou atingir outro patamar profissional, com salário maior e mais reconhecimento”, planeja.

Como parte direta desta e de tantas outras histórias, o SECRJ, é claro, está na torcida pela classificação de Daniele. Mais do que isso, tem o compromisso de ampliar cada vez mais as possibilidades de acesso do comerciário à formação, para que, em pouco tempo, os dados ainda pouco animadores apresentados pelo IBGE possam ser revertidos.

Imagem: Júnior Barragam/ Agência Papa Goiaba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

um × três =