Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Vigilância Sanitária deve fiscalizar condições de trabalho

Ação conjunta do Sindicato com a Vigilância Sanitária em supermercado do Rio. Imagem: Rafael Rodrigues/ Comerciários

O prefeito Marcelo Crivella agora quer impedir que a Vigilância Sanitária fiscalize as condições de saúde e segurança do trabalho no comércio. Para lutar contra esse absurdo, o Sindicato dos Comerciários compareceu em peso à audiência pública sobre o Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 45/ 2017, realizada sexta-feira passada (25/5), na Câmara Municipal.

“Através desse Projeto, Crivella quer criar um Código Municipal de Vigilância Sanitária que pode deixar impune as péssimas condições de segurança e higiene em que trabalham muitos comerciários., denuncia o presidente do Sindicato, Márcio Ayer.

Para se ter ideia da importância das fiscalizações da Prefeitura, numa ação conjunta com a Vigilância Sanitária o Sindicato interditou recentemente um supermercado (leia mais) por riscos à saúde dos funcionários. “Os fiscais não verificam só as condições de higiene ou a validade das mercadorias. Também conferem os dispositivos de segurança e os equipamentos de proteção individual (EPIs), bem como nas condições de limpeza e ventilação das áreas utilizadas pelos trabalhadores”, conta a diretora do Sindicato Daniele Moretti. “A Vigilância é um forte aliada. Queremos manter a parceria para fazer muitas outras ações conjuntas em todo o comércio do Rio”, acrescenta o diretor sindical Marcelo Collopy.

Tramitação – O Sindicato tem conversado com os vereadores para apresentar emendas ao PLC que mantenham a atuação da Vigilância sobre as questões de saúde do trabalhador. O Projeto ainda não tem data marcada para ser votado no plenário da Câmara, pois ainda depende da apresentação dos pareceres de várias comissões antes de ir à votação. “Vamos acompanhar e cobrar, pois é pra isso que serve o Sindicato”, arremata o diretor sindical Paulo Henrique da Silva.