Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Vamos deixar o Temer abolir a Abolição?

temer3

Artigo do presidente do Sindicato, Márcio Ayer – Não é difícil ouvir o trabalhador do comércio reclamar que o serviço parece mais uma escravidão. Com as mudanças planejadas por Temer para as leis trabalhistas, a queixa poderá deixar de ser “exagerada” para se tornar cada vez mais verdadeira.

Entre 2003 e 2015, o Governo Federal resgatou quase 45 mil brasileiros em situação de trabalho parecida com a escravidão. Quem obrigava essa gente a trabalhar dessa forma foi incluído na “lista suja do trabalho escravo” e teve que prestar contas à Justiça. Só que os grandes empresários e ruralistas que lucram com a escravidão moderna não querem largar a chibata. Muitos deles estavam entre os maiores apoiadores do golpe dado por Michel Temer.

Você acredita em coincidências? Eu não. Para pagar a “ajuda” destes amigos, o governo suspendeu esta semana a publicação da “lista suja” e, pelo visto, os retrocessos não vão parar por aí. Com a caneta presidencial nas mãos, Temer parece empenhado em fazer o dia a dia do trabalhador ficar cada vez mais parecido com aquele das lavouras e senzalas do Brasil arcaico.

Acordado sobre o legislado – Desde a década de 1940, a Consolidação das Leis do Trabalho garante aos trabalhadores uma série de direitos fundamentais como, por exemplo, as férias e o descanso semanal remunerado. Não é que a gangue do Temer quer acabar com a CLT? Tramita no Congresso o projeto de lei 4.962/2016, de autoria do deputado Júlio Lopes (PP-RJ), que permite flexibilizar jornadas de trabalho e salários por meio de acordo coletivo. É o chamado “acordado sobre o legislado”, com os acordos valendo mais do que as leis, apenas para atender as necessidades do patrão. O nome é complicado, mas as consequências são cabeludas. Sem a proteção da lei, e com a ameaça da demissão, os patrões poderão pressionar os trabalhadores a aceitar acordos abusivos. Um absurdo!

Caso este projeto vire lei, vão se tornar perfeitamente legais vários abusos e violações de direitos que os patrões ainda cometem, e contra os quais nosso Sindicato luta todos os dias. Se depender dos patrões, a gente vai ter que trabalhar 12 horas por dia, sem folgas, sem férias e sem horas-extras, sempre que eles decidirem. Já pensou nisso? A escravidão vai se tornar real e a gente não vai nem ao menos poder reclamar, porque o patrão vai estar amparado na lei.

Bora reagir! – A bancada que apóia Temer já elaborou outros 55 projetos de lei para retirar direitos dos trabalhadores, incluindo – socorro!! – o fim das penalidades contra quem fatura com o trabalho escravo. Falta pouco para algum “iluminado” propor o fim da Lei Áurea. Vamos deixar passar barato? Não dá! Trabalhadores de todo o Brasil, uni-vos contra o golpe! #AbaixoAsReformasDeTemer #DiretasJá!

Márcio Ayer, presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio