Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Trabalhadores do Supermarket aderem à greve

Supermarket de Pilares amanheceu de portas fechadas por conta da greve. A greve dos trabalhadores do comércio teve um novo capítulo na manhã desta quarta-feira (29/8) com a paralisação da loja dos supermercados Supermarket no bairro de Pilares, na Zona Norte do Rio. A maioria dos 210 funcionários aderiu e a loja só não permaneceu fechada porque o Sindicato garantiu a entrada de 30% dos trabalhadores, por se tratar de serviço considerado essencial.

A pressão fez tanto efeito, que um diretor da rede compareceu ao local e pediu para abrir negociações com o Sindicato em paralelo com aquelas que vem acontecendo com o Sindigêneros, entidade que representa os donos de supermercados. A primeira reunião foi marcada já para a próxima sexta-feira (31/8), na sede do Sindicato.

Jogando sujo, gerentes e outros gestores da rede tentaram coagir os funcionários a entrar e chegaram, inclusive, a trazer operadoras de caixa de outras lojas, mas os comerciários não se intimidaram e mantiveram a paralisação parcial. “A truculência do gerente e seus seguranças, que mais parecem pit-bulls, deu uma mostra de que os funcionários do Supermarket são realmente tratados à base do chicote, confirmando as denúncias que recebemos. Nessa reunião marcada hoje vamos tratar da possível negociação para o acordo e também de todos esses absurdos que se acontecem na empresa”, afirma a presidenta interina do Sindicato, Alexsandra Nogueira.

Campanha Salarial –  Os comerciários exigem reajuste acima da inflação e outras medidas para valorizar a categoria. Intransigentes, as empresas do setor oferecem apenas 1,5%, abaixo da inflação nos 12 meses anteriores à data base, que ficou em 1,69% segundo o INPC/ IBGE. Os patrões também querem inserir nas convenções coletivas de trabalho itens da reforma trabalhista que representam retrocessos para os trabalhadores, como a possibilidade de contratação de funcionários intermitentes, redução do horário de almoço para apenas meia-hora, e a criação da jornada de 12×36 com redução de salário. A negociação se arrasta desde maio e a greve completa sua terceira semana. Além do Supermarket, já foram paralisadas lojas das redes Mundial, Guanabara, Campeão, Marisa, C&A, Silhueta Infantil e Di Santinni, dentre outras.

Denúncias – Em conversa com os diretores do lado de fora da loja, outros funcionários confirmaram as denúncias e falaram sobre outras irregularidades na loja. “Todos nós temos medo de perder o emprego, porque temos família e responsabilidades, mas tá na hora de dar um basta em tanto abuso”, comentou uma repositora da loja. “Além de descontar no salário pelos atrasos, eles ainda nos forçam a repor as horas em outros dias. A algum tempo eu me acidentei na loja e eles não abriram o CAT”, contou uma das trabalhadoras, se referindo documento obrigatório, que reconhece tanto um acidente de trabalho ou de trajeto bem como uma doença ocupacional.

Diretores cercaram todas as entradas do supermercado