Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Trabalhadores do Carrefour em estado de GREVE

Em Assembleia, os trabalhadores do Carrefour aprovaram a decretação do estado de greve. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

Em Assembleia realizada nesta segunda-feira (18/12), no Sindicato dos Comerciários do Rio, os trabalhadores das filiais cariocas do Carrefour discutiram e aprovaram a pauta de reivindicações que será apresentada à rede multinacional de hipermercados. Por ampla maioria, também foi aprovada a decretação do estado de greve, que poderá ser deflagrada a qualquer momento caso o Carrefour não atenda às demandas ou continue com as ameaças e retaliações aos funcionários que participam do movimento.

Os trabalhadores do Carrefour exigem, dentre outras reivindicações:

  • Adicional de 100% sobre as horas trabalhadas nos feriados;
  • Adicional de 100% sobre as horas trabalhadas aos domingos;
  • Reintegração dos demitidos em função da participação no movimento;
  • Ajuste nos contratos e carteiras de trabalho para correto enquadramento das funções conforme o Código Brasileiro de Ocupações (CBO);
  • Garantia de 15 minutos de intervalo para lanche, de forma a garantir que os trabalhadores não fiquem por mais de 6 horas sem alimentação;
  • Garantia das folgas adicionais pelo trabalho nos feriados;
  • Fim do desvio de função;
  • Fim do assédio moral;
  • Melhoria da alimentação fornecida nas lojas;
  • Recomposição da Participação nos Lucros e Resultados (PLR);
  • Recomposição dos percentuais das comissões dos vendedores.

A pauta será agora apresentada à empresa pela direção do Sindicato em mediação da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego (SRTE), já marcada para a próxima quinta-feira (21/12). Dois trabalhadores foram eleitos pelos colegas durante a Assembleia para acompanhar as negociações. “Somos vitoriosos porque já conseguimos nos unir para dar um passo adiante. Temos um Sindicato disposto a lutar por nós. Vamos continuar firmes e acumular forças. Agora estamos em estado de greve. As paralisações poderão ocorrer a qualquer momento, mesmo agora antes do Natal, caso a empresa continue nos ameaçando”, comentou o açougueiro RML, da filial Sulacap.  

Entenda o caso – Após a vitória do movimento grevista no Mundial, o Sindicato foi procurado por uma comissão de trabalhadores do Carrefour, que relatou a insatisfação e disposição de luta dos funcionários da rede. Além do fim do adicional de 100% nos feriados, a comissão relatou uma série de outros problemas. Neste sentido, ficou decidida a convocação da Assembleia para debater e aprovar a pauta de reivindicações.

Em resposta, a empresa primeiro anunciou que pagaria o adicional aos funcionários referente aos últimos feriados trabalhados. Como não se comprometeu, no entanto, em pagar o mesmo nos próximos feriados, a mobilização dos funcionários se intensificou. O Carrefour então apelou para a estratégia do medo, promoveu demissões alegando “corte de despesas” e distribuiu ameaças por meio dos seus gerentes. Contudo, os trabalhadores não se intimidaram e prometem levar o movimento às últimas consequências. “Lá na França eles estão gozando os milhões que nós levantamos aqui. Quem tem pena do patrão pra sempre vai lamber o chão. Estamos de pé, firmes e dispostos a levar essa luta até o fim”, comentou a vendedora JVC, da filial Norte Shopping.

Carta aos colegas franceses – Ainda no início da Assembleia, foi aprovada por aclamação uma carta (leia aqui na íntegra) assinada em conjunto pelo Sindicato e os trabalhadores do Carrefour no Rio, que será enviado aos trabalhadores franceses da rede à central sindical francesa La CGT. “Na crença de que devemos sempre cultivar a solidariedade entre os trabalhadores – e dela lançar mão em momentos como esse – contamos com a maior facilidade de acesso dos camaradas à direção global da empresa para, a partir da França, exigir que o Carrefour trate com sensibilidade e respeito as exigências de seus funcionários brasileiros”, afirma o documento.