Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Trabalhadores de Paty e Miguel Pereira também aprovam pauta

Na mesa da Assembleia, da esquerda para a direita, o diretor Fábio Silva, a vice-presidente Alexsandra Nogueira, o presidente Márcio Ayer e o diretor Bruno Baldez. Foto: Jessé Andarilho/ Comerciários

Na mesa da Assembleia, da esquerda para a direita, o diretor Fábio Silva, a vice-presidente Alexsandra Nogueira, o presidente Márcio Ayer e o diretor Bruno Baldez. Foto: Jessé Andarilho/ Comerciários

Na última sexta-feira (26), as trabalhadoras e trabalhadores no comércio de Miguel Pereira e Paty dos Alferes também realizaram sua assembleia e aprovaram por unanimidade a pauta de reivindicações para a Campanha Salarial 2016. Com uma grande mobilização, os comerciários e comerciárias da região também puderam, pela primeira vez em 50 anos, discutir os rumos da luta por melhores salários, mais direitos e mais respeito para todos.  

Para Márcio Ayer, presidente do Sindicato dos Comerciários Rio, Miguel Pereira e Paty dos Alferes, a luta dos trabalhadores será grande, uma vez que os patrões têm suas armas para se contrapor à ofensiva. “Somente com muita mobilização e participação os comerciários e comerciárias vão fazer valer os seus direitos. Fizemos uma pauta com reivindicações justas, que atendem às necessidades dos comerciários. Não vamos aceitar o mimimi da crise econômica como desculpa para não garantir mais direitos para os trabalhadores” explica o dirigente.

Realizada no Clube Estrela, no Centro de Miguel Pereira, a Assembleia contou com a participação dos diretores do Sindicato na Região, Bruno Baldez, trabalhador do Bramil e Fábio Silva, da Sapataria Leão. Também participaram o delegado sindical Marcelo Bizerra, o diretor José Cláudio de Oliveira e a vice-presidenta Alexsandra Nogueira. A pauta de reivindicações será agora entregue aos sindicatos patronais para dar início às negociações.