Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Tá na hora de rever o transporte no Rio

Imagem: Agência Brasil

Papo reto do presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio, Márcio Ayer – No Grande Rio, somos 12 milhões de pessoas. Para garantir a mobilidade de uma população deste tamanho, é indispensável um transporte público de alta capacidade, como trens, barcas e metrô. Apesar disso, os sucessivos governos do Estado e dos municípios da região sempre privilegiaram o transporte sobre rodas. Ao ponto do ônibus realizar hoje mais de 80% das viagens diárias regulares.

Nessa curva, as políticas de transporte derraparam feio. Não adianta quadruplicar pistas, cavar túneis ou encher a paisagem de cinzentos viadutos. O ônibus é poluente, caro e leva poucos passageiros em cada viagem. Quando se aposta nele, não tem jeito, o engarrafamento, a poluição e os prejuízos sempre vem. Segundo estudo da UFRJ, perdemos em tempo, combustível e desgaste de material cerca de R$ 12 bilhões por ano. Mas o maior prejuízo é sempre do trabalhador, que perde qualidade de vida em ônibus lotados, desconfortáveis, inseguros e guiados por motoristas mal pagos e trabalhando muitas vezes em dupla função.

Investir no ônibus não foi bom nem para o Rio, nem para os cariocas. Só foi bom para… as empresas de ônibus! E toda a vez que a sociedade tenta discutir a melhoria e abertura das contas do sistema, os empresários puxam o freio de mão e colocam o debate numa caixa-preta. Para se ter uma ideia, até hoje só eles sabem (e informam o que querem aos governos) quantos passageiros transportam por dia. Uma informação que é vital para definir o preço da passagem ou determinar os investimentos para melhorar o sistema fica só na mão dos empresários. Ou seja, a raposa tomou conta do galinheiro.

A mão deles continua firme nesse volante, principalmente, porque eles nunca deixam de fazer grandes doações às campanhas políticas de prefeitos e vereadores. Avançam o sinal, porque a lei proíbe doações de concessionários de serviços públicos, mas molhando a mão do guarda achavam que a multa nunca ia chegar. Só que, dessa vez, dormiram no ponto e perderam a viagem.

Uma grande operação da Polícia Federal desbaratou o cartel das empresas e prendeu seus principais “pilotos”. Estão trancados em Bangu, dentre outros, o presidente da poderosa Federação das Empresas (Fetranspor), Lélis Teixeira, e o empresário Jacob Barata Filho, “rei do ônibus”, investigados pelo suposto pagamento de R$ 500 milhões em troca de aumentos das passagens. De 1994 a 2015, enquanto a inflação foi de 400%, a tarifa disparou 1.000%, com todos os ganhos embolsados pelos empresários do setor.

A prisão desse pessoal abre espaço para um novo tempo. Agora, livre da pressão econômica das empresas, o povo tem a chance de escolher políticas de mobilidade mais responsáveis, que ajudem a cidade a se desenvolver com dignidade, conforto e tarifas justas para os usuários dos serviços. Para que possamos discutir, por exemplo, a transformação dos trens da Supervia em metrô de superfície, beneficiando moradores da Baixada, Zona Norte e Zona Oeste. Assim como a ampliação e melhoria do transporte aquaviário, fundamental para acelerar a locomoção entre a capital, Niterói, São Gonçalo e outras cidades no entorno da Baía de Guanabara. Sem falar no passe livre social nos transportes para desempregados, trabalhadores informais, estudantes de todos os níveis e beneficiários do Programa Bolsa Família.

Tá na hora de botar nos trilhos (e na água) o transporte do Rio.