Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Subvalorização do trabalho da mulher negra

Esse foi o tema do debate que encerrou a Semana de Charme e Consciência do Sindicato dos Comerciários do Rio, nessa quinta-feira (17/11). O debate contou com a participação da advogada Alessandra Benedito, da psicóloga Ana Rocha e da secretária nacional de Igualdade Racial da CTB, Mônica Custódio, que discutiram aspectos da discriminação racial e sexual da mulher negra no mundo do trabalho.

dsc_0343

A advogada Alessandra Benedito destacou a importância das políticas públicas para a valorização da mulher negra. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

As palestrantes destacaram a importância de se construir a consciência dentro do movimento sociais, principalmente no sindical, sobre a condição de invisibilidade da situação da mulher negra dentro do mercado de trabalho. Alessandra destacou que a invisibilidade se estabelece historicamente. Segundo ela, isso pode ser observado pelos dados do trabalho da mulher, que só foram analisados após a inserção da mulher branca no mercado de trabalho. A mulher negra, no entanto, já trabalhava desde poucos anos depois do descobrimento do Brasil.  “As estatísticas de abusos e outros crimes praticados contra a mulher negra ainda são insuficientes e raros, num país em que a grande maioria das mulheres são negras,” completou a palestrante.

b93a0539

Ana Rocha apresentou dados sobre a invisibilidade da mulher negra. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

Ana Rocha apresentou os dados sobre a importância de políticas públicas para combater a discriminação racial e sexual da mulher negra. Segundo a psicóloga, ao longo da história a mulher negra, por meio do seu trabalho e sua ancestralidade, foi um elemento fundamental para a construção da cultura que temos hoje em nosso país. A palestrante apresentou dados importantes que demonstraram situação da mulher negra em nosso país e provocou: “É preciso não permitir a feminilização da pobreza. Com o fim das políticas públicas de amparo às mulheres, através de projetos como a PEC 241, serão as mulheres negras as mais atingidas”.  

Mônica Custódio destacou necessidade de combater a discriminação da mulher negra. Segundo a dirigente, os movimentos sociais passaram anos vivendo uma contradição entre a luta dos trabalhadores e a luta específica das mulheres negras, que hoje se tem claro o entendimento de que não se trata apenas de minorias, mas da sociedade como um todo, da luta contra o preconceito de todas as formas. Tudo isso faz parte de uma grande luta que é a luta dos trabalhadores, a luta de classes. “Nossa luta é pelo povo, quando falamos de negros, mulheres, LGBTs, não estamos falando para um segmento ou minoria, estamos falando para toda a sociedade,” completou a dirigente.

b93a0538

A secretária nacional de Igualdade Racial da CTB, Mônica Custódio. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

O debate aconteceu no auditório do Sindicato dos Comerciários do Rio. Contou com a presença do presidente do Sindicato, Márcio Ayer, de representantes da direção nacional da CTB, lideranças sindicais e comerciários e foi mediado pela diretora do Sindicato Rosângela Rocha.