Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Sindicato cobra e shoppings começam a fechar no Rio

Os shoppings começaram a fechar suas lojas no Rio. O Sindicato já havia cobrado uma posição dos lojistas para que fechassem imediatamente os estabelecimentos. Através de decreto, o governador do Rio orientou o fechamento de lojas pelos próximos 15 dias.

Já anunciaram o fechamento: Norte Shopping, Barra Shopping, New York, Shopping Tijuca, Boulevard, Botafogo Praia, Madureira Shopping, Nova América, Rio Design Barra, Rio Design Leblon e Américas Shopping. O Sindicato espera que os demais shoppings e centros comerciais também tomem a mesma atitude.

“Temos cobrado dos patrões o fechamento imediato das lojas para garantir a saúde de todos os comerciários. A orientação é para que todos fiquem em casa e que evitem aglomerações. Também estamos cobrando que as lojas de rua sigam essa orientação e fechem imediatamente seus comércios. A saúde dos trabalhadores precisa vir em primeiro lugar”, declara Márcio Ayer, presidente do Sindicato dos Comerciários.

O Sindicato também está atento à movimentação nos shoppings que ao fechar suas lojas estão enviando seus funcionários para o comércio de rua. “Isso não resolve o problema e mostra uma falta de bom senso. Vamos cobrar isso dos lojistas”, afirma Márcio Ayer.

Pelo decreto do governador, nos shoppings podem funcionar farmácias e centros médicos. Também podem abrir restaurantes e praças de alimentação, mas com efetivo reduzido e com entrega de refeições.

Supermercados 

No caso dos supermercados, que são considerados serviços essenciais e não podem fechar completamente, o Sindicato propôs manter um efetivo de no máximo 30% dos funcionários, liberando desde já aqueles que pertencem ao grupo de risco como idosos, diabéticos, hipertensos e asmáticos. Além disso, o Sindicato pede a redução da jornada diária de trabalho. 

Para estes trabalhadores as empresas devem fornecer acesso à água, sabonete, toalha descartável e álcool em gel. Também realizar controle de entrada e saída dos estabelecimentos e em seus ambientes para evitar aglomerações e solicitar, por alto falante, que as pessoas mantenham distância de pelo menos um metro umas das outras.