Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Sindicato reverte “justa causa” ilegal

Reprodução da internet.

Após quatro meses na empresa de iluminação Air Ship, o comerciário L.B.N. foi forçado a pedir demissão. Caso contrário, receberia uma “justa causa” e sairia da firma com as mãos abanando. Só que, indignado, ele veio ao Sindicato pedir ajuda para acionar a empresa na Justiça. Em maio agora veio a sentença. A Air Ship foi condenada pela 21ª Vara do Trabalho a pagar ao ex-funcionário todos os direitos de uma demissão normal (aviso prévio de 30 dias, multa de 40% sobre o FGTS, férias e 13º salário proporcionais), além da multa de um salário pela homologação feita além do prazo (art. 477 da CLT).

Entenda o caso. No ato da demissão, a funcionária do RH da empresa informou que, em razão de supostas faltas injustificadas, L. seria dispensado por justa causa. Isso apesar do comerciário ter justificado todas as suas ausências e sem antes ter recebido qualquer advertência da empresa. Além de uma falta devidamente justificada com atestado médico, o trabalhador foi forçado a faltar em outra ocasião por razões que também foram devidamente comunicadas à empresa. Morador de Acari, na Zona Norte do Rio, L. foi impedido de comparecer à empresa, no bairro vizinho de Vigário Geral, devido a uma operação policial na região.  

Apoio legal “Essa é a realidade de muitas pessoas que vivem em comunidades populares. Não dá pra negociar com traficantes. As faltas podem até não ter justificativa do ponto de vista legal, mas o L. deu explicações para sua ausência que, a princípio, foram aceitas pela empresa”, comentou o presidente do Sindicato dos Comerciários, Márcio Ayer. Ele ressaltou que o comerciário não sumiu do emprego, avisou que estava passando por uma situação perigosa e que precisaria faltar. Sua ausência nem chegou perto dos 30 dias previstos em lei para caracterizar abandono de emprego. Ele não chegou a faltar dois dias seguidos. Apesar disso, L. foi “orientado” pela empresa a “procurar seus direitos na Justiça, pois nada lhe seria pago, nem mesmo o saldo de seu salário”.

Foi o que ele fez. Contrariado com o patrão, o comerciário procurou o Sindicato em busca de orientação. O Departamento Jurídico ingressou com a ação na Justiça do Trabalho e, mais uma vez, conseguiu garantir final feliz para um trabalhador da categoria. “É pra isso que serve o Sindicato, para garantir os direitos e interesses dos comerciários. Se você teve algum problema parecido em seu emprego, ou soube do caso de um colega que passou por isso, denuncie ao Sindicato que a gente vai correr atrás de Justiça”, finalizou o presidente Márcio.