Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Sindicato reintegra grávida demitida no Assaí

Cássia Moraes junto com a advogada Dra. Camila Del Angelo em frente ao Assaí

Cássia Moraes junto com a advogada Dra. Camila Del Angelo em frente ao Assaí. Imagem: Diego Cotta/Sindicato dos Comerciários do Rio

Na manhã desta terça-feira (15), o Sindicato dos Comerciários do Rio, representado pela advogada Camila Del Angelo, acompanhou a oficial de justiça que apresentou mandado judicial ao departamento de recursos humanos do atacadista Assaí, no bairro do Campinho, obrigando a empresa a reintegrar a gestante Cássia Moraes ao quadro de funcionários. A empresa havia demitido indevidamente a comerciária em julho deste ano, alegando cortes na área de processamento de dados, configurando prática ilegal mediante a gestação de Cássia.

“Fui demitida e depois descobri que estava grávida. Avisei ao RH e eles disseram que iriam passar a questão ao jurídico da empresa. Telefonei algumas vezes para saber em que pé andava e sempre diziam que não tinham resposta. Foi quando meu irmão que estuda Direito mandou eu procurar o Sindicato. Se não fosse por vocês eu não teria meu emprego de volta. Estou muito agradecida!”, afirmou Cássia Moraes logo após receber a nova data para a realização de exames admissionais.

O juiz titular da 11ª Vara do Trabalho, Otávio Amaral Calvet entendeu a urgência do processo e deferiu a “antecipação dos efeitos da tutela”. Isto é, expediu mandado de reintegração da comerciária ao seu posto de trabalho, com pagamento dos salários do período compreendido entre o afastamento (julho de 2015) e a readmissão (dezembro de 2015). Uma nova audiência está marcada para o dia 2 de março do ano que vem, para definir, inclusive, a forma de devolução das verbas rescisórias.

“A empresa queria fazer um acordo para descontar do contracheque de Cássia a rescisão, porém o melhor que isso seja sentenciado pelo juiz. Agora, iremos garantir a estabilidade dela no emprego. Apesar da demissão de grávidas ser ilegal, muitas empresas desrespeitam as leis trabalhistas e executam a demissão indevidamente. O Sindicato está de olhos bem abertos para coibir essa prática!”, avisa  o diretor do Departamento Jurídico do Sindicato dos Comerciários, Edson Machado.