Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Sindicato garante aumento e direitos nos supermercados

A Assembleia Geral Extraordinária que aprovou a assinatura da Convenção Coletiva com o Sindigêneros. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

A Campanha Salarial 2017 dos comerciários teve um final feliz para as trabalhadoras e os trabalhadores de supermercados, hortifrutis e mercearias. O Sindicato dos Comerciários do Rio assinou nesta quarta-feira (11/10) com o Sindigêneros, que representa os patrões do varejo de gêneros alimentícios, a Convenção Coletiva de Trabalho para o biênio 2017/2018. A CCT determina aumento de 4% nos salários (até o teto de R$ 5.720) e 5,5% no piso salarial, que passa a ser de R$ 1.140.

A contraproposta dos patrões às reivindicações da categoria foi aprovada por unanimidade na Assembleia que lotou o auditório do Sindicato nesta terça-feira (10/10). Participaram centenas de trabalhadores do Guanabara, Mundial, Supermarket, Bramil e outras grandes redes de supermercados. Além do aumento dos pisos e salários, a Convenção prevê também: 5,5% na garantia dos comissionistas (R$ 1.166); 5,5% no piso de experiência (R$ 1.034); 4% na quebra de caixa (R$ 66,56); 4% na ajuda de custo dos comissionistas (R$ 67,60). O adicional dos feriados foi substituído por  ajuda de custo fixa de R$ 30 (R$ 34 no 1º de maio), em espécie ou vale-compras. A folga extra compensatória pelo trabalho nos feriados vai continuar sendo concedida em até 30 dias, com exceção dos meses de abril e novembro, com três feriados cada, para os quais vale prazo de 60 dias.

O presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio, Márcio Ayer (à esquerda), e o presidente do Sindigêneros, Napoleão Veloso, assinam a CCT. Imagem: Dara Bandeira/ Comerciários

“O aumento de 4% garante que não teremos perdas para a inflação (3,99% nos 12 meses anteriores à data-base, em maio, segundo o INPC/ IBGE). Também conseguimos proteger a categoria de alguns efeitos perversos das reformas do Temer. A negociação demorou mais por causa do falso sindicato que surgiu, com o apoio de alguns patrões, para tentar representar os trabalhadores de supermercados. Após uma grande guerra política e jurídica, conseguimos suspender o registro dos fantasmas junto ao Ministério do Trabalho (saiba mais)”, destacou na Assembleia o presidente do Sindicato, Márcio Ayer.

Reforma trabalhista “A ampla participação dos trabalhadores e das trabalhadoras foi fundamental para que a gente pudesse retomar a condição de únicos e legítimos representantes dos comerciários”, acrescentou a vice-presidenta Alexsandra Nogueira, que é também empacotadora no Guanabara.

A nova CCT protege da Reforma Trabalhista direitos conquistados ao longo de anos de lutas. Um exemplo é a manutenção de uma hora para o horário de almoço, que pela reforma poderia ser reduzida para apenas 30 minutos. Duas novas cláusulas foram incluídas para garantir a oferta de água potável e a manutenção de padrões mínimos de higiene nos locais de trabalho, assegurando ao Sindicato a possibilidade de multar as empresas que as descumprirem.

Dia do Comerciário Também mantivemos a proibição de abertura do comércio nos dias 25 de dezembro, 1º de janeiro e na terceira segunda-feira do mês de outubro, quando se comemora o Dia do Comerciário. Este ano, a data vai cair na próxima segunda-feira (16/10). O Sindicato vai às ruas fiscalizar o comércio para fechar  estabelecimentos que estiverem abertos indevidamente.

Caso você comerciário seja chamado a trabalhar, mesmo que internamente com a loja fechada, ou veja algum estabelecimento em funcionamento no feriado, denuncie! O Sindicato estará de plantão para coibir o desrespeito. Ligue para (21) 3266-4100 ou escreva para jurídico@secrj.org.br.

Outras Convenções Como ainda não há contraproposta do Sicomércio, que representa os patrões do comércio de Miguel Pereira e Paty do Alferes, a Assembleia aprovou que só aceita a assinatura da CCT dessas cidades nos mesmos termos da Convenção ora firmada com o Sindigêneros. Os comerciários da região, que também participaram em grande número da Assembleia realizada no Rio, apesar da distância, também foram unânimes nessa decisão.

Com o fechamento da Convenção do Sindigêneros, o Sindicato dos Comerciários já assinou este ano a maior parte das Convenções Coletivas de Trabalho (CCTs) que regem as relações entre as empresas do comércio do Rio de Janeiro, Miguel Pereira e Paty do Alferes e seus mais de 350 mil trabalhadores. O aumento de salário e todas as demais conquistas das convenções coletivas já estão em vigor e disponíveis para consulta em nosso site (https://secrj.org.br/acordos-e-convencoes). Ainda estão em negociação as CCTs para quem trabalha no atacado de café e maquinismos. No caso dos atacadistas representados pela Fecomércio já há acordo, mas ainda falta a assinatura do presidente da entidade, Orlando Diniz. A bola, portanto, está nos pés dos patrões.

Em todos estes ramos, quando for definido o reajuste, o mesmo deverá ser pago retroativamente desde o mês de maio. A única exceção é o atacado de material de construção, que tem data base diferente, em setembro. Para os segmentos com CCTs já fechadas, o retroativo deverá ser quitado em no máximo duas parcelas, até o pagamento do salário de outubro, no quinto dia útil de novembro. Se passar disso, tá errado!

Leia na íntegra a CCT assinada com o Sindigêneros