Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Sindicato e MPT flagram irregularidades no Superprix

Imagem: Dara Bandeira/ Comerciários

Foto: Dara Bandeira/ Comerciários

O Sindicato dos Trabalhadores do Rio acionou o Ministério Público do Trabalho (MPT) para averiguar práticas antissindicais na rede de supermercados Superprix. Com 13 filiais no Rio de Janeiro, a empresa impede há meses o acesso dos diretores e assessores do Sindicato às suas lojas. Em diligência realizada na manhã desta quinta-feira (9/11), na unidade da Tijuca, sem saber da presença da procuradora do Trabalho Samira Shaat, o encarregado da loja foi orientado pelos patrões a chamar a polícia para coibir a ação do Sindicato, além de ameaçar os funcionários que se aproximaram dos agentes sindicais. A viatura da PM foi ao local, mas a situação se voltou contra a empresa, que foi flagrada em atitude antissindical. Diante dos fatos, a procuradora determinou abertura de inquérito contra a empresa.

“Já estivemos nessa loja diversas vezes e sempre fomos impedidos de realizar nosso trabalho. Prova disso é que quando chegamos ao supermercado hoje constatamos irregularidades que poderiam ser evitadas se nosso acesso não fosse sempre negado. Encontramos problemas desde o açougue, com funcionário trabalhando sem equipamento de proteção adequado, até a falta de pagamento do último reajuste salarial a todos os funcionários. Vamos exigir que a empresa se explique e devolva os direitos que foram retirados. A ação de hoje foi uma grande vitória para os trabalhadores, mas esse é só o começo”, garante o diretor do Sindicato Paulo Henrique da Silva.

Em representação enviada ao MPT, o Sindicato reafirma o direito de acesso às dependências internas dos supermercados, seja para conversar com os trabalhadores no horário de repouso e alimentação, para sindicalizar, ou para verificar se as condições de trabalho estão adequadas. “Queremos diálogo aberto com a categoria. Essa coisa do funcionário ser ameaçado só por querer falar com o Sindicato não pode passar impune. É para isso que estamos aqui: ouvir, entender, defender e, se preciso for, acionar a Justiça para casos mais graves”, afirma a diretora Tânia Hertal.

Supermercados na mira – O Sindicato prepara uma ação de fiscalização específica para os supermercados. O intuito é orientar os trabalhadores sobre as novas regras trabalhistas e identificar possíveis irregularidades. “Os empresários não podem querer recuperar prejuízos ou aumentar seus lucros tirando direitos do comerciário. Por isso o nosso trabalho de base se faz tão necessário. É a hora que ouvimos os trabalhadores e ficamos cientes se o que se passa no chão de loja está de acordo com as leis trabalhistas. Sempre que formos impedidos de fazer nosso trabalho, que é defender e orientar o trabalhador, vamos recorrer, sobretudo nesse contexto das reformas impostas pelo governo ilegítimo de Michel Temer”, explica o presidente do Sindicato, Márcio Ayer.