Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Sindicato debate caso de racismo com advogados do Mundial

O presidente do Sindicato, Márcio Ayer, e a comerciária Amanda Gregório. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

O presidente do Sindicato, Márcio Ayer, e a comerciária Amanda Gregório. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

Em reunião com advogados do Mundial nesta terça-feira (22/11), a diretoria do Sindicato dos Comerciários do Rio solicitou o imediato afastamento do médico do trabalho Eduardo Carvalho do quadro de pessoal do supermercado. O pedido foi feito em função das novas denúncias de abusos cometidos pelo profissional, feitas por funcionárias e funcionários da empresa, a partir da divulgação do episódio de injúria racial sofrido pela trabalhadora Amanda Gregório (clique aqui para ler).

Na reunião, o presidente do Sindicato, Márcio Ayer, disse que os trabalhadores do comércio não vão aceitar mais esse tipo de tratamento. “O que a Amanda passou é absurdo. Outras trabalhadoras também foram constrangidas. Além de fazer uma retratação aos trabalhadores, o Mundial precisa afastar o médico enquanto as denúncias são apuradas”, cobrou o presidente.

Gota d’água – Presente à reunião, Amanda Gregório se emocionou ao tratar do assunto. “Dei o sangue pela empresa, ralei muito. Recebi em troca muito desrespeito e um injusto desconto de 22 dias no meu salário, que prejudicou a mim e toda minha família. O tratamento racista por parte do médico foi a gota d’água”, desabafou Amanda, que é funcionária do Mundial há mais de 10 anos.

Sob pressão do Sindicato, os representantes da empresa disseram que vão abrir uma sindicância para apurar as novas denúncias feitas contra o médico além de analisar o desconto no salário de Amanda. Os advogados alegaram que a empresa está comprometida no combate ao racismo, com treinamento permanente e um plano de cargos e salários que permite a ascensão de funcionários negros e negras aos cargos de chefia no supermercado. Algo que o Sindicato vai verificar em suas próximas diligências no Mundial.

Racismo x injúria racial – O racismo no Brasil é considerado um crime inafiançável e imprescritível. Um problema que ainda ocorre é sua confusão com o crime de injúria racial. Segundo uma interpretação literal do Código Penal, a injúria racial ocorre quando são ditas ofensas a uma pessoa, como, por exemplo, chamar um negro de “macaco” ou uma negra de “neguinha”. A acusação permite fiança e tem pena máxima de três anos. Seguindo essa mesma interpretação, o racismo envolveria o menosprezo à raça de alguém, seja por impedimento de acesso a determinado local, seja pela negação de algum direito tomando por base a raça da pessoa. Como exemplo, pode-se considerar como caso de racismo o impedimento de matrícula de uma criança na escola pelo fato dela ser negra.

A pena para o crime de racismo definida no Código é de três a cinco anos de prisão. O problema é que quando um negro é chamado de macaco, pode se considerar que todos os ancestrais do sujeito são também ofendidos. Isso é racismo, mas o crime acaba sendo tipificado como injúria e o ofensor vai para casa livre com o cumprimento de penas alternativas como, por exemplo, o pagamento de cestas básicas.

Existem muitas formas de denunciar o racismo. A mais eficaz delas é registrar a ocorrência em uma delegacia para, em seguida, procurar um advogado para cuidar do processo. Os comerciários do Rio podem contar com atendimento jurídico gratuito e especializado oferecido pelo Sindicato.