Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Sindicato apura denúncias de cobrança irregular por uniformes

O secretário geral Marcelo Black durante a ação de fiscalização. Ao fundo, no espelho, funcionário com uniforme da loja

O secretário geral Marcelo Black durante a ação de fiscalização. Ao fundo, no espelho, funcionária com uniforme da loja

A equipe de fiscalização do Sindicato visitou nesta quarta-feira (30/09) quatro lojas da rede de vestuário infantil Só Socks para apurar denúncias de cobrança ilegal pelos uniformes dos funcionários. Liderada pelo secretário geral do Sindicato, Marcelo Black, a equipe também constatou falta de locais adequados para alimentação e conservação de alimentos dos funcionários, falta de refrigeração, escadas perigosas para acessar os estoques e ainda câmeras de monitoramento nos vestiários – expondo os empregados ao constrangimento.

Em todas as lojas visitadas, os funcionários confirmaram que têm descontados de seus salários os valores relativos aos uniformes que utilizam, o que contraria a Convenção Coletiva de Trabalho firmada entre o Sindicato dos Comerciários e o Sindicato dos Lojistas.

“A convenção é muito clara quando afirma que as empresas que exigem uniformes e maquiagens estão obrigadas a custear integralmente as despesas. Essa prática de cobrar pelos uniformes se repete em todo o comércio, sobretudo no ramo de vestuário, no qual muitas vezes os funcionários ‘recebem’ os uniformes ou peças da coleção a título de adiantamento de salário”, comentou Marcelo Black, que trabalha no varejo há 21 anos, a maior parte deles em lojas de roupas. Segundo o secretário geral, os representantes da Só Socks, empresa que tem 20 lojas no Rio, terão que comparecer ao Sindicato para prestar esclarecimentos e ajustar sua conduta. Ele também avisa que outras empresas flagradas em descumprimento da norma também serão chamadas a se ajustar.

Imagem: Rafael Rodrigues/ Sindicato dos Comerciários