Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Sindicato apóia funcionários da IBM na luta pela equiparação

Presidente Márcio Ayer conversa com trabalhadores da IBM em Botafogo | Foto: Luis Henrique Nascimento

Presidente Márcio Ayer conversa com trabalhadores da IBM em Botafogo | Foto: Luis Henrique Nascimento

O Sindicato dos Comerciários do Rio amanheceu na porta da IBM nesta terça-feira (9/11). O objetivo era mobilizar os funcionários da empresa para a defesa dos seus direitos. Não é de hoje que a IBM foge das suas responsabilidades, mesmo após inúmeros questionamentos quanto às diferenças de salários e benefícios que são pagos na sede do Rio com aqueles que são praticados nas filiais de São Paulo e Hortolândia. Com apoio do Sindicato, os IBMistas cariocas reivindicam que a empresa feche um Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) para o regulamentar o pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), nos mesmos moldes dessas cidades.

Só que a IBM prefere ficar desconectada da realidade e se nega a receber o Sindicato. A empresa não compareceu à mesa de conciliação convocada pela Superintendência Regional do Ministério do Trabalho (SRTE), nem respondeu aos diversos ofícios enviados pelo Sindicato como objetivo de encaminhar uma ACT que traga mais isonomia entre as unidades da IBM.

Na porta da empresa, o SIndicato conversou com as trabalhadoras e trabalhadores e ouviu muitas outras denúncias. “Funcionários me contaram que novas contratações para as mesmas funções estão sendo feitas com salários cada vez menores. E as horas extras não estariam sendo pagas, mas jogadas no banco de horas”, afirmou o presidente Marcio Ayer, que comandou a ação. “Por essas e outras, o objetivo de estarmos aqui distribuindo o boletim Urgente IBM é convocar os IBMistas para uma assembleia, na qual possam discutir esses e outros problemas. Só assim poderemos chegar com mais força para pressionar a empresa a pactuar um ACT justo para os trabalhadores”, concluiu Márcio.