Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

SECRJ marca presença na Marcha das Margaridas

Na imagem, as diretoras do SECRJ com o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo

Na imagem, as diretoras do SECRJ com o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo

A diretora de Delegacias e Políticas Sociais Rosângela Rocha, a vice-presidenta Sandra Nogueira e a diretora Daniele Moretti integraram a delegação do SECRJ na 5ª edição da Marcha das Margaridas, que aconteceu na manhã da última quarta-feira (12) em Brasília; e mobilizou cerca de 100 mil mulheres de todo o país. O intuito da manifestação é jogar luz sobre a luta pela reforma agrária, soberania alimentar, igualdade de direitos e o fim da violência contra a mulher.

A marcha, este ano, incluiu na pauta a defesa da democracia, com críticas veementes às tentativas de golpe contra o governo da presidenta Dilma Rousseff. “Essa é uma questão muito cara para nós trabalhadoras. Essa onda conservadora de direita que clama pelo impeachment da presidenta Dilma é irresponsável e golpista. Precisamos fortalecer seu governo, bem como a lutas sindicais e dos movimentos sociais”, lembra a vice-presidenta Sandra Nogueira.

A delegação aproveitou a oportunidade para estreitar relacionamento com outros sindicatos de base comerciária, como o de Caxias do Sul (RS).  “Recentemente nos filiamos à CTB e estamos tomando par das lutas essenciais para a sobrevivência da classe trabalhadora. Unidos somos mais fortes contra as mais variadas formas de opressão, sobretudo no que diz respeito aos direitos das mulheres trabalhadoras”, esclarece a diretora Rosângela Rocha.

A Marcha das Margaridas é coordenada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e outras onze entidades parceiras. O evento foi criado em homenagem a Margarida Maria Alves, assassinada em 1983 por um latifundiário que se sentia ameaçado pela luta constante da ativista. Ela era presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras de Alagoa Grande, na Paraíba, e morreu com um tiro de espingarda no dia 12 de agosto, aos 50 anos. “Não paremos de lutar até que todas nós sejamos livres”, é uma das palavras de ordem ouvidas na Marcha.