Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

SECRJ cobra normas de segurança do trabalho na C&A

A diretora de Delegacias Rosângela Rocha no estoque da loja da C&A na Rua do Ouvidor: pontas cortantes

A diretora de Delegacias Rosângela Rocha no estoque da C&A na Rua do Ouvidor: pontas cortantes

Provocado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), a equipe do Setor de Denúncias do SECRJ realizou na ÚLTIMA SEMANA uma inspeção para verificar o cumprimento das normas coletivas de segurança no trabalho nas filiais da rede C&A nas ruas da Quitanda (nº 25) e do Ouvidor (nº 182), no Centro do Rio. O MPT havia apontado várias irregularidades em ambos os estabelecimentos, como cadeiras das operadoras de caixa fora dos padrões, escadas inadequadas no setor de estoque e quinas e cantos vivos que representam ameaça à saúde dos funcionários em vários postos de trabalho.

“Embora a C&A tenha atendido as exigências do MPT na área dos caixas, encontramos muitas outras quinas e pontas cortantes nos salões das lojas e, principalmente, nos setores de estoque. A situação da refrigeração na loja da Rua do Ouvidor também é precária. Além de se preocupar com o bem estar dos clientes, a empresa precisa ter compromisso com a segurança e a integridade dos seus funcionários. Antes ninguém olhava por eles, agora o SECRJ está de olho”, comentou a diretora de Delegacias e Políticas Sociais, Rosângela Rocha, que liderou a ação, acompanhada por dois advogados do Setor de Denúncias do SECRJ.

Ao final da inspeção, a gerência das lojas foi informada de que tem prazo de dez dias para atender às exigências apontadas. Embora a fiscalização tenha se limitado, por enquanto, às duas filiais no Centro do Rio, a empresa terá que adequar toda sua rede no município. “Não vamos nos limitar a estas duas lojas e nem a esta empresa. As normas de segurança valem para todos os trabalhadores brasileiros. Vamos fazer o que nos compete, que é exigir o seu cumprimento, ao menos, para os empregados no comércio do Rio de Janeiro, Miguel Pereira e Paty do Alferes”, completou Rosângela.

Foto: Rafael Rodrigues/ SECRJ