Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Quem paga a diferença da passagem é o patrão

Arte: Allan Matias/ Comerciários

Arte: Allan Matias/ Comerciários

É o empregador quem tem que pagar a diferença da passagem referente à suspensão do benefício no Bilhete Único Interestadual, anunciada em nota pela Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor). O presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio, Márcio Ayer, lembra que CLT obriga os patrões a pagar a totalidade dos valores referentes ao transporte coletivo (ônibus, barca, trem, metrô e vans regularizadas) do trajeto casa/ trabalho/casa de todos os seus funcionários.

“O comerciário que pagou a mais pela passagem precisa ser reembolsado pelo empregador. Independente de liminar ou qualquer outra decisão. A liminar não dá ao patrão o direito de penalizar o comerciário”, afirma o presidente, mencionando a decisão da Justiça, não acatada pelas empresas de ônibus e vans legalizadas, que determina que os descontos no Bilhete Único Interestadual sejam mantidos.

Não ao aumento da passagem – Ao contrário das barcas, trens e metrô, que estão cumprindo a decisão da Justiça, as empresas de ônibus e vans legalizadas poderão ter que pagar multas de até R$ 500 mil pelo descumprimento.  “A decisão da Fetranspor é absurda. Eles querem que a população pague a conta para manter o lucro astronômico das empresas. O fim do subsídio vai prejudicar muito os trabalhadores da região metropolitana, que lutam para se manter empregados, além de aumentar ainda mais a crise econômica no Estado do Rio. O que é inaceitável,” protesta Márcio Ayer.

Passagem deve ser paga antes da utilização – O complemento da passagem pode variar em cada situação, mas é preciso deixar claro que o pagamento do mesmo deve ser feito antes da utilização pelo usuário. “O trabalhador tem que receber a diferença ainda dentro desse mês, para que não fique sem créditos no cartão,” exige o presidente.