Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Patrões cedem à pressão! Sindilojas assina convenção coletiva

Diretores do Sindicato dos Comerciários e do Sindilojas após a assinatura da CCT. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

O Sindicato dos Comerciários do Rio assinou nesta sexta-feira (1/9) as convenções coletivas de trabalho (CCTs) com o Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro (Sindilojas). Foram acertados reajustes de 4% nos salários e de 5,5% no piso salarial, percentuais acima da inflação, que ficou em 3,99% (INPC/ IBGE). As empresas insistiam em dar reajuste abaixo da inflação. A assinatura só foi possível graças ao recuo da entidade patronal, que aceitou os patamares mínimos para a negociação aprovados pela categoria em Assembleia realizada na última quarta-feira (30/8).

A previsão é que a assinatura das convenções dos demais segmentos do comércio aconteça nos próximos dias. As exceções são o atacado de material de construção, cuja data base é agora em setembro, e os supermercados, cuja negociação vem sendo atravancada pelo pirata Sind$uper (leia mais abaixo).

“É um bom resultado, conquistado após muita luta. Foram quase cinco meses de mobilização e muitas rodadas de negociação. Tudo conspirava para que fosse pior. Buscamos ao máximo proteger os trabalhadores dos efeitos da reforma trabalhista e conseguimos evitar perdas salariais com reajuste acima da inflação. É uma grande vitória, principalmente se considerarmos o momento difícil de crise econômica e alta do desemprego enfrentada pelo país”, comemorou o presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio, Márcio Ayer.  

Conquistamos na base do Sindilojas:

  • manutenção de todos os direitos previstos nas convenções do ano passado;
  • reajuste do piso salarial de R$ 1.090 para R$ 1.150 (5,5%);
  • aumento da garantia mínima dos vendedores comissionistas de R$ 1.200 para R$ 1.265 (5,4%);
  • reajuste em 4% dos salários;
  • reajuste do piso de experiência de R$ 980 para R$ 1.034 (5,5%);
  • reajuste do lanche garantido para quem trabalha aos sábados (após as 14h), domingos e feriados de R$ 17 para R$ 18 (6%).

Ganho real – Os reajustes terão vigência retroativa à data-base, em 12 de maio, e os valores retroativos poderão ser pagos em duas vezes, até o salário de outubro. Na comparação, considerada a inflação, os 4% de agora se equiparam aos 10% de 2016. Os menores salários este ano terão ganho real (acima da inflação) de 1,45%, próximo ao conquistado ano passado, que foi de 1,68%. “Garantir ganho real num cenário como esse é uma grande vitória! Fruto da união da categoria em torno de um sindicato de luta”, avaliou o comerciário J.B., que trabalha em um shopping na Zona Norte.

Cláusulas sociais – As CCTs assinadas com o Sindilojas também determinam reajuste do auxílio creche para R$ 190, no caso das empresas que possuem entre 30 e 50 funcionárias, ou R$ 210, nas empresas com mais de 50 trabalhadoras. Também se destacam as cláusulas que exigem oferta de água potável aos trabalhadores e melhoria das condições de higiene do local de trabalho. Fixam ainda as regras para as jornadas aos domingos e feriados, banco de horas e trabalho em tempo parcial.

E os supermercados?As negociações com os supermercados estão paradas há meses, por culpa do Sind$uper. O falso sindicato, criado por alguns patrões e sindicalistas de aluguel, tenta aprovar um acordo secreto escrito por essas empresas em assembleias de difícil acesso para os trabalhadores. O Sindicato dos Comerciários, verdadeiro representante dos trabalhadores de supermercados, luta na Justiça, no Ministério do Trabalho e nas ruas para derrotar o pirata Sind$uper e chamar os patrões para negociar um acordo verdadeiro e justo. Os trabalhadores de supermercados não aguentam mais esperar pelo reajuste! Vamos todos nos unir em torno do verdadeiro Sindicato para fazer com que as empresas escutem nossa voz: NEGOCIA, PATRÃO!

Na Assembleia de quarta-feira foi aprovada ainda, por unanimidade, a pauta de reivindicações que será apresentada ao Sindicato do Comércio Atacadista de Material de Construção (Sincomac), cuja data base é em setembro.