Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

País tem um acidente de trabalho a cada 15 minutos, comércio lidera estatísticas

Imagem: reprodução da internet.

O Brasil registra um acidente de trabalho a cada 15 minutos, com uma morte a cada dois dias. O comércio está entre as dez atividades campeãs em número de acidentes de trabalho no país. E o vendedor do varejo está entre as oito profissões com mais acidentes – atrás apenas dos motoristas de caminhão, carteiros, serventes de obra, faxineiros, auxiliares de enfermagem e ocupações na área de saúde. Os dados são do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho.  

No comércio, os supermercados ocupam o primeiro lugar em número de acidentes e, ao lado dos açougues, são os ambientes que mais oferecem riscos à saúde dos trabalhadores. “Há muita dor por trás dessas estatísticas. Não podemos aceitar como natural o acidente, pois ele acontece em função das condições de trabalho. Na maioria dos casos a culpa é dos patrões, que geralmente estão mais preocupados com o lucro do que com a segurança dos trabalhadores”, reclama o presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio, Márcio Ayer.

Os diretores sindicais Antonio Jr e Daniele Moretti destacam o 28 de abril, “Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho”, como oportunidade para  uma reflexão sobre segurança e saúde no trabalho. Para eles, os riscos aumentaram com a aprovação da reforma trabalhista e da Lei da Terceirização: “Todos os estudos mostram que os terceirizados estão sujeitos a condições piores do que aqueles trabalhadores contratados diretamente pelas empresas. Feitas apenas para reduzir os custos das empresas, as mudanças na CLT aumentam a insegurança e comprometem as condições de saúde dos trabalhadores”.

Feridas abertas – “Tinha tanto medo de perder o emprego que em dois anos de firma não faltei um dia sequer. Não adiantou nada. A empresa me demitiu antes mesmo das feridas sararem. Trabalhador só serve pro patrão enquanto está bom. Se ficar doente, não presta mais”, conta o repositor H.L., que recentemente se acidentou enquanto repunha mercadorias em um supermercado. Ele teve ajuda do Sindicato para emitir a CAT e conta com o apoio do nosso Departamento Jurídico para processar a empresa na Justiça do Trabalho.