Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Não à reforma da Previdência

Artigo do presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio, Márcio Ayer – A Reforma da Previdência é inaceitável e desnecessária e pode prejudicar várias gerações de trabalhadores. Só que a cada dia que passa fica mais claro que se trata de mais um golpe para pegar nosso dinheiro e nossos direitos, com a desculpa de “salvar” a Previdência. Deixa eu te explicar.

Inaceitável ao invés de aumentar o tempo de contribuição e tornar a aposentadoria inviável para grande maioria dos trabalhadores, eles poderiam cobrar os R$ 426 bilhões devidos à Previdência pelas maiores empresas públicas e privadas do país.  

Desnecessária porque a situação da Previdência não é esse bicho feio que o governo e a imprensa pintam. A reforma seria apenas para puxar o saco do mercado financeiro. O papo dos golpistas, patrões e banqueiros está cheio de meias-verdades e mentiras-completas, feitas sob medida para colocar medo nos trabalhadores.

Cofre cheio – A explicação é cheia de números e siglas, mas não é difícil de entender. O dinheiro que entra na Previdência vem das contribuições de patrões (20% da folha de pagamento) e trabalhadores (até 11% do salário). Essa grana cai no caixa geral da Seguridade Social, que reúne Previdência, Saúde e Assistência Social e é reforçada com a arrecadação de contribuições(Cofins, CSLL e outros) e loterias. Com tudo somado, a Seguridade teve “lucro” de R$ 11 bilhões em cada um dos últimos dois anos.

Também não dizem que a Desvinculação das Receitas da União (DRU) permite que o governo, todos os anos, desvie 30% de todo o dinheiro no caixa da Seguridade para pagar outros gastos. No ano passado foram mais de R$ 60 bilhões  Com esse truque, onde sobrava dinheiro, aparece o tal rombo. Por fim, o governo mente quando diz que a Previdência representa o maior gasto público do Estado. Na verdade, o maior desembolso é para o pagamento de juros da dívida pública, que é o valor devido pelo governo aos bancos. Esse pagamento consome 47% do orçamento da União, o que dá mais de R$ 1 trilhão ao ano.

Jogo de vida ou morte – Ainda tem gente confusa. A maioria não sabe o que realmente está acontecendo por que a grande imprensa só atrapalha, porque só mostra o ponto de vista dos banqueiros e outros ricos. Por isso, também não pode haver dúvidas sobre a importância que os sindicatos têm de de mostrar aos trabalhadores que estamos num jogo de vida ou morte em torno de direitos duramente conquistados ao longo de séculos. É preciso lutar agora, para não perder seus direitos para sempre! Todos às ruas em 28 de abril.

GRANDE ATO CONTRA AS REFORMAS DA PREVIDÊNCIA E TRABALHISTA
28/4 (6ª feira) | 17H | Cinelândia

Concentração dos Comerciários às 13h, no Sindicato (R. André Cavalcanti, 33 – Lapa)