Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Não à privatização da Cedae!

Você sabia que a Cedae é a única empresa estatal estadual que dá lucro? Pois é, foram R$ 250 milhões em 2015! Além disso, a Cedae tem papel estratégico para o desenvolvimento do estado, pois atende 64 municípios, emprega 6 mil trabalhadores e mantém uma infraestrutura de água e esgoto que vale pelo menos R$ 13 bi. Só que para o Estado do Rio deixar de pagar dívidas com Brasília e voltar a receber repasses federais, o ilegítimo governo de Michel Temer exige a entrega da Cedae à iniciativa privada. E parece que vai levar, pois a autorização para a venda foi confirmada ontem pela Alerj.

Sabe aquele papo de agiota no fundo do terreno baldio? Você nunca recebe o quanto precisa e sempre fica devendo mais do que poderia pagar. O povo do Rio – dono da companhia e maior interessado no negócio – não sabe quanto vai receber, não conhece o verdadeiro valor de mercado da Cedae e sequer foi consultado sobre a venda, como determina a Lei Nacional de Saneamento. Mesmo assim, para pagar o prejuízo causado ao Rio pelos golpes do PMDB, Temer e Pezão forçam a barra para que a Cedae pública passe a ser controlada por gringos e banqueiros.

Um verdadeiro golpe contra a população, pois, em todo o mundo, a privatização da água sempre provocou aumento de tarifas e desabastecimento. Quando a água foi “remunicipalizada” em Paris em 2010, por exemplo, seu preço baixou 8% só no primeiro ano, enquanto nos 25 anos de gestão privada subiu 260%.

A privatização agride a soberania e não garante o acesso de todos à água. Há anos a Cedae vem sendo sucateada pelos mesmos que hoje querem vendê-la, causando enormes perdas à população. Mas o verdadeiro prejuízo vai acontecer se a venda de fato acontecer, e será permanente, para ajudar a resolver um problema momentâneo de caixa do estado. Um negócio que interessa apenas aos empresários, pois mesmo vendida, a empresa só será capaz de fazer investimentos com dinheiro público, como ocorre em outras áreas. Por isso, estamos juntos com os trabalhadores da companhia, na luta para impedir a venda da Cedae, que deve se manter pública, com gestão voltada para a melhoria do atendimento prestado e à universalização dos serviços de água e esgoto.
Márcio Ayer, presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio