Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Direitos das mulheres e avanços da Lei Maria da Penha

No último dia 7 de agosto, quando a Lei Maria da Penha completou 14 anos, o Coletivo Margaridas do Sindicato dos Comerciários realizou uma reunião virtual para debater a situação da violência contra a mulher e os avanços na proteção a partir da lei.

mulheres

A diretora da Secretaria da Mulher Trabalhadora do Sindicato dos Comerciários, Rosângela Rocha, abriu a reunião virtual destacando a importância da Lei Maria da Penha no combate à violência contra a mulher, como também a necessidade das mulheres se unirem para enfrentar os abusos, que muitas vezes acontecem dentro de casa.

A reunião contou com a participação da presidenta do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher, Helena Piragibe, e da juíza de Direito do Juizado de Violência Doméstica, Katerine Jatahy Kitsos Nygaard. Diretoras e diretores do Sindicato, além de comerciárias, também participaram do encontro que celebrou os 14 anos da  Lei Maria da Penha.

Para Helena, a lei foi fruto de muita luta e que antes dela muitos casos de agressão contra as mulheres eram pagas somente com uma cesta básica. Destacou também que foi a partir da lei que os governos criaram políticas públicas de defesa da mulher.

A juíza Katerine Jatahy também ressaltou a importância da lei, como uma das melhores do mundo, mas que só a lei não basta, é preciso mudar o cultura do machismo. Segundo ela, o Brasil ocupa o quinto lugar entre os países que mais matam mulheres. “No Rio de Janeiro, a cada cinco dias temos um caso de feminicídio e a cada dois dias uma tentativa de morte contra as mulheres.  

Lei Maria da Penha

A Lei Maria da Penha (11.340/06), que teve como relatora a deputada federal Jandira Feghali, é um marco da luta das mulheres em defesa dos seus direitos, com a criação de mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar e medidas de punição ao agressor.

O nome foi uma homenagem à Maria da Penha, que sofreu duas tentativas de homicídio por parte do ex-marido e ficou paraplégica. Após anos passando por situações de violência, Maria da Penha conseguiu denunciar o agressor.

Sofreu algum tipo de violência? Denuncie em www.secrj.org.br/denuncias. Caso prefira, envie um email para denuncia@secrj.org.br ou mande mensagem para (21) 96424-3770. A denúncia é anônima.