Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

MPT confirma legalidade da contribuição negocial em nota técnica

A Nota técnica nº 2, publicada na última sexta-feira (26/10) pelo Ministério Público do Trabalho, traz 41 considerações sobre a importância do pagamento da contribuição negocial, tendo em vista que a atividade de representação sindical requer fontes de financiamento legítimas. Segundo a nota, a ação sindical depende da participação dos trabalhadores, seja na realização das atividades desenvolvidas pelos sindicatos, seja na contribuição financeira para a melhoria da prestação de serviços e das condições materiais das entidades sindicais.

“Sem Sindicato forte não é possível fiscalizar as empresas, nem pagar advogados para defender gratuitamente os comerciários dos desmandos dos patrões. Querem quebrar de vez com os sindicatos e massacrar a classe trabalhadora. É tempo de resistência! Não podemos permitir que se extermine com o principal instrumento de defesa dos trabalhadores que é o sindicato”, argumenta o presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio, Márcio Ayer.

Jurisprudência – O MPT  também apresenta uma série de decisões do TST,  já em consonância com a nova realidade normativa decorrente da vigência da Lei n. 13.467/17, em 19 de dezembro de 2017. Em seis oportunidades em que o legislador recorreu ao requisito da prévia e expressa autorização, prevaleceu o entendimento de que vale o critério deliberado em assembleia convocada pelo sindicato, assegurada a participação de todos os integrantes da categoria, associados ou não associados.

Direito à oposiçãoO Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro assegura a ampla participação de todos os integrantes da categoria, sócios ou não; além de, inclusive, garantir prazo (e já encerrado para este ano) de 15 dias corridos para o trabalhador opor-se à contribuição.
Para ler o documento na íntegra, clique aqui