Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Funcionários demitidos escracham a Casa Cruz

Funcionários demitidos em frente à matriz da Casa Cruz, no Largo de São Francisco. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

Funcionários demitidos em frente à matriz da Casa Cruz, no Largo de São Francisco. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

Durante pelo menos duas horas, na manhã desta terça-feira (01/11), a principal loja da rede de papelarias Casa Cruz ficou sem vender nenhum caderno sequer. Com apoio do Sindicato dos Comerciários do Rio, trabalhadores demitidos pela empresa foram à porta da filial no Largo de São Francisco, Centro da cidade, convencer os clientes a deixar de fazer ali as suas compras. Foi essa a forma encontrada por ex-funcionários para protestar contra o não pagamento de suas verbas rescisórias. Alguns estão sem receber desde o mês de agosto.

Com mais de 120 anos de existência, a Casa Cruz possui sete lojas no Grande Rio, empregando quase 400 trabalhadores. Sobre a loja do Largo de São Francisco funciona o escritório central da empresa. Apesar dos insistentes pedidos dos manifestantes, nenhum diretor desceu para conversar com os trabalhadores ou com o Sindicato.

“Aqui não estão apenas os 119 demitidos. Está presente o Sindicato que representa mais de 400 mil trabalhadores cariocas e que não vai arredar pé dessa luta enquanto houver um único comerciário injustiçado pela Casa Cruz. Daqui vamos a todas as outras filiais. Temos condições de paralisar totalmente as lojas, fazendo com que na ‘volta às aulas’ a Casa Cruz fique sem vender nada”, ameaçou o presidente do Sindicato, Márcio Ayer, que participou do ato lado dos funcionários demitidos e dos diretores sindicais Edson Machado, Rosângela Rocha, Marcelo Black, Alessandro Furtado e Douglas de Freitas.

“Vergonha, vergonha, Casa sem vergonha!”, gritavam em coro os ex-funcionários. “Esse aqui é o novo Sindicato. Acabou aquele negócio de vocês fazerem o que querem com a gente sem ninguém dizer nada”, gritou um deles. “A família do dono passando férias no exterior e a gente sem ter o que colocar no prato dos nossos filhos. Se eles pensam que nos demitindo vão nos calar, estão muito enganados. Vamos perseguir a Casa Cruz até que paguem o que nos devem”, disparou ao microfone outra funcionária demitida.

Entenda o casoQuando tomou conhecimento da situação dos demitidos, em agosto, o Sindicato foi pra cima e arrancou da empresa acordo para o pagamento parcelado das dívidas rescisórias. As rescisões deveriam ser pagas em quatro parcelas. A primeira delas foi paga com mais de dez dias de atraso em setembro, mas não há previsão para o pagamento da segunda, atrasada desde 15 de outubro.

O Sindicato já fez as homologações das demissões para que os ex-funcionários pudessem sacar o FGTS e ter acesso às parcelas do Seguro Desemprego. Só que o não pagamento da indenização está colocando os demitidos em situação difícil. Por isso, o grupo resolveu organizar os “escrachos” para forçar o pagamento por parte da empresa.

Além de apoiar as manifestações para ampliar a voz dos trabalhadores, o Sindicato, por meio de seu Departamento Jurídico, está tomando todas as medidas legais para que a empresa pague tudo o que deve aos trabalhadores, incluindo a multa pela rescisão atrasada (Art. 477 da CLT) e a multa pelo descumprimento do acordo (30% do valor a receber). Novas manifestações já estão agendadas. Casa Cruz, sua cartolina está assando.

casa-cruz-7

O presidente do Sindicato, Márcio Ayer, discursa durante a manifestação. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

Apesar dos insistentes pedidos, nenhum diretor da empresa desceu para conversar com os trabalhadores. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

Apesar dos insistentes pedidos, nenhum diretor da empresa desceu para conversar com os trabalhadores. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários