Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Fiscalização no feriado garante direitos do trabalhador

O presidente do Sindicato, Márcio Ayer (à esquerda), durante ação de fiscalização em shopping na Zona Norte do Rio

O presidente do Sindicato, Márcio Ayer (à esquerda), durante ação de fiscalização em shopping na Zona Norte do Rio

O Sindicato dos Comerciários realizou uma grande operação de fiscalização durante o feriado da Independência, comemorado na última segunda-feira (7). Sem contar ainda as lojas de rua, o balanço da fiscalização aponta mais de 300 autuações nos grandes shoppings. Só nas lojas do NorteShopping foram aplicadas 38. Segundo o presidente Márcio Ayer, a ação mostra aos trabalhadores que eles agora têm o Sindicato ao seu lado. “Trabalhar durante o feriado tem que representar uma vantagem para o trabalhador, que abre mão de seu descanso e de estar com a família para garantir as vendas do patrão,” explicou o presidente, que participou das ações de fiscalização na Zona Norte do Rio.

Ele lembrou que, conforme as convenções coletivas, os comerciários do Rio, Miguel Pereira e Paty têm direito nos feriados a adicional de 100% sobre as horas trabalhadas, jornada máxima de seis horas (oito no caso do comércio de gêneros alimentícios – supermercados, mercearias, etc), lanche ou jantar no valor de R$ 12, auxílio para o transporte casa-trabalho-casa, e uma folga extra em até 30 dias após o feriado.

O comércio de rua também foi fiscalizado, mas a operação se concentrou nos shoppings, onde a forte presença das equipes do Sindicato incentivou os trabalhadores a buscar mais informações sobre seus direitos e a denunciar abusos cometidos pelos patrões. “A principal reclamação é quanto ao horário de trabalho”, apontou o diretor jurídico do Sindicato, Edson Machado. Segundo ele, nos feriados as lojas funcionam com equipes reduzidas e, com isso, há uma extensão da jornada dos funcionários, que chegam a trabalhar 12 horas seguidas.   

Doze equipes – formadas por diretores, advogados, assessores e agentes de sindicalização – foram às ruas do Rio, Miguel Pereira e Paty do Alferes para fiscalizar o cumprimento das cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho que regulam o funcionamento do comércio nos feriados. Vários estabelecimentos foram notificados e muitos deles serão multados por descumprimento das normas.  

Na serra, uma equipe do Sindicato correu os principais pontos de comércio na região de Miguel Pereira e Paty do Alferes e fechou quatro lojas que estavam em funcionamento sem ter assinado com o Sindicato o acordo para abertura no feriado. “Em geral houve respeito ao descanso do trabalhador. Onde não houve, o Sindicato atuou de forma firme,” ressaltou o delegado sindical Marcelo Bizerra, que coordenou a ação.

Convenção Coletiva  As convenções coletivas celebradas entre com as representações dos patrões, garantem ao Sindicato o direito de só autorizar o funcionamento do comércio nos feriados mediante a assinatura de um acordo específico. Segundo Edson Machado, esse é um importante instrumento de negociação dos trabalhadores, uma vez que o Sindicato pode não assinar o acordo caso existam reivindicações em aberto ou ocorra descumprimento no pagamento dos direitos dos funcionários.  

Via Varejo – A intransigência do Via Varejo (Ponto Frio e Casas Bahia) na negociação da pauta de reivindicações dos trabalhadores levou o Sindicato a jogar duro e não assinar com o grupo o acordo para funcionamento no feriado. Mesmo assim, o grupo abriu as portas e teve praticamente todas as suas lojas notificadas pelas equipes de fiscalização por descumprimento da Convenção Coletiva. Caso sejam confirmadas, serão aplicadas multas de R$ 100,00 por funcionário.

“Eles vivem abusando dos nossos direitos e a gente tem consciência disso, mas para manter o emprego, trabalhar nos feriados e engolir o banco de horas irregular parecia ser nossa única alternativa. Felizmente agora o Sindicato começou a olhar pela gente”, contou à reportagem do Sindicato um funcionário do grupo Via Varejo que preferiu não se identificar para evitar represálias.