Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Seus direitos garantidos no feriado de Corpus Christi

Nesta quinta-feira é feriado de Corpus Christi. Os comerciários que são do serviço essencial (supermercados e hortifrutis) ou que trabalham em segmentos autorizados pelos decretos da prefeitura precisam ficar atentos aos seus direitos.

Corpus Christi

Se você é funcionário de supermercado ou hortifruti e vai trabalhar no feriado:

– Carga máxima de 8 horas;

– R$ 36,77 a ser pago em dinheiro, ticket alimentação/refeição ou vale compras;

– Folga compensatória em até 30 dias seguintes ao dia trabalhado. Caso a empresa não cumpra, você recebe 100% do feriado;

– Refeição e vale-transporte.

Para os comerciários que fazem parte do comércio liberado para funcionar, apesar da pandemia, por conta de decretos, e vão trabalhar neste feriado, seus direitos são:

– Adicional de 100% sobre as horas trabalhadas; 

– Jornada máxima de 6h; 

– Fornecimento de lanche, jantar ou vale refeição de R$ 23,50; 

-Auxílio para pagar o transporte casa-trabalho-casa; 

– Folga em até 30 dias após o feriado.

Shoppings, centros comerciais e lojas de rua continuam proibidos de abrir. Quem está fazendo serviços internos ou atendendo às demandas do on-line também têm seus direitos garantidos. 

“É preciso cuidar de quem está trabalhando! Todos estão expostos à contaminação do coronavírus. Por isso, o Sindicato dos Comerciários quer que  trabalhadores do comércio que estão em serviço e consumidores utilizem máscaras para o bem de todos”, declara Márcio Ayer.

Medidas de proteção

Diante da nova realidade com a liberação de mais segmentos do comércio e o decreto estadual, além do decreto federal que define a relação de atividades essenciais, o Sindicato defende medidas de fiscalização rigorosa no uso de máscaras por funcionários (fornecidas pelos lojistas) e clientes, como também a garantia do fornecimento de álcool em gel, disponibilização de local para lavar as mãos adequadamente com água potável e corrente e fornecimento de sabão e toalhas descartáveis.

Além disso, é preciso ter controle de entrada e saída de clientes, distância mínima de 2 metros entre clientes e trabalhadores, instalação de barreiras de acrílico para atendimento dos clientes, fornecimento de protetor facial (Face Shield), proibição de secadores eletrônicos em banheiros, refeitórios e lavatórios e de exposição e distribuição de produtos para degustação.

As empresas devem fazer a medição de temperatura, controlar o limite de pessoas e carros nos estacionamentos dos estabelecimentos comerciais, realizar exames de COVID-19 em todos os empregados e liberar os funcionários do grupo de risco (maiores de 60 anos, gestantes e mulheres puérperas e pessoas com doenças crônicas ou pregressas, dentre outros que sejam recomendados pelo Ministério da Saúde como grupo de risco), sem redução dos salários. Caso o trabalhador apresente sintomas da doença, que seja encaminhado imediatamente a uma unidade de saúde e liberado de suas funções até que seja descartada a hipótese de COVID-19.

Sua empresa vacilou? A melhor forma de defender os seus direitos é vindo pra luta com a gente. A denúncia é anônima e você pode fazer diretamente pelo nosso site: www.secrj.org.br/denuncias. Caso prefira, envie um email para denuncia@secrj.org.br ou mande mensagem para 21-96424-3770.