Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Fazenda dos Comerciários é exemplo de produção sem veneno

O delegado sindical Marcelo Bizerra (à esquerda) e um funcionário do Sindicato entregam produtos da Fazenda a representante da APAE de Miguel Pereira. Imagem: Arquivo/ Comerciários

A Fazenda dos Comerciários, colônia de férias do Sindicato em Paty do Alferes, acaba de receber o certificado de produtor orgânico da ABIO (Associação de Agricultores Biológicos do Estado do Rio de Janeiro). O selo garante que legumes e verduras são produzidos sem os venenos que, infelizmente, são cada vez mais comuns nas lavouras, respeitando o meio ambiente e a saúde dos produtores e consumidores.

“Esse reconhecimento vem para dar ainda mais brilho às comemorações pelos 50 anos da Fazenda, que é fruto do trabalho e uma grande conquista da categoria. É também uma prova de que o recurso das contribuições sindicais está sendo usado com competência. Além desse cuidado, a ABIO também verificou que estamos contribuindo para o desenvolvimento sustentável da região. O que também é motivo de grande orgulho para todos nós comerciários”, comenta o presidente do Sindicato, Márcio Ayer.

Agora no verão, as hortas da Fazenda dos Comerciários têm produzido berinjela, quiabo e jiló, enquanto que no inverno aumenta a produção de repolho e brócolis. Já as hortaliças como alface, couve, salsa e cebolinha têm grande produção o ano inteiro. Além de abastecer a cozinha da própria colônia, a produção é utilizada nos refeitórios do Sindicato no Norte Shopping e no Rio Sul.

Certificação – “Nossos funcionários Seu Sebastião e Seu Janair (o mais antigo de Vila Rica) sabem de tudo. A terra também é muito boa. Aqui, o que plantar dá, e dá muito”, diz o delegado sindical Marcelo Bizerra. Este ano, os excedentes de produção foram distribuídos para escolas públicas, clínicas de reabilitação e entidades filantrópicas da região. “Como somos trabalhadores e não patrões, não vendemos nada do que sobra, dividimos solidariamente o que temos”, explica o diretor do Sindicato José Cláudio Oliveira.

A certificação é feita de forma participativa (Sistema Participativo de Garantia/ SPG), no qual agricultores, comerciantes e técnicos fiscalizam o trabalho uns dos outros. Dessa forma, todos compartilham a responsabilidade pela avaliação das regras da agricultura orgânica em cada plantação. Dentre as vantagens da agricultura orgânica sobre a agroindústria está a adoção de práticas sustentáveis em todo o processo de produção, desde a escolha do que vai ser produzido até o destino que será dado aos resíduos. Isso preserva e aumenta a diversidade biológica, reduz a contaminação do solo, ar e água, além de aumentar a fertilidade da terra.