Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Ex-funcionárias queimam o filme da Dimpus

Diretores do Sindicato e ex-funcionárias da Dimpus durante a manifestação em Ipanema. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

Na manhã do último sábado (27/5), um grupo de ex-funcionárias da Dimpus foi à porta da principal loja da rede, na R. Visconde de Pirajá, em Ipanema, soltar o verbo contra os abusos e desrespeitos da empresa. Para tentar diminuir o vexame, a grife não abriu as portas da loja durante todo o dia, ao contrário do que acontece todo final de semana.

Dentre os problemas apontados pelas ex-funcionárias, que já estão sendo investigados pelo Sindicato, está o frequente atraso no pagamento de salários, depósito irregular de FGTS e INSS, não pagamento de verbas rescisórias aos demitidos, descumprimento de acordos judiciais, desvio de função e assédio moral. Juntou gente para ouvir as denúncias e sobrou descontentamento contra a marca. “Nunca mais compro nada aí, vocês estão de parabéns em denunciar”, disse uma moradora do bairro, agora ex-cliente da Dimpus.

“Ele desconta da gente, mas não deposita FGTS nem INSS. Tudo mais é pago errado ou atrasado. Ele acha que pode fazer isso com todo mundo e vai ficar impune. Acha que ninguém vai falar ou fazer nada, mas a gente está aqui para que todo mundo fique sabendo  que ele faz com as funcionárias”, disse ao microfone a comerciária T.L. em referência ao comportamento do seu ex-patrão, dono da Dimpus, Milton de Souza Carvalho Neto. “Fiquei dois anos e meio, larguei até a faculdade para me dedicar à loja, pra sair sem um real, nem de FGTS depositado”, reclamou a comerciária.

Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

Patrão-ostentação – “Ele mandou eu procurar meus direitos na Justiça. Dizia que o máximo que poderia acontecer era ele ser preso, mas que como já está velho seria solto rapidinho. Dizia que eu é que seria prejudicada, porque tenho filhos pequenos para sustentar, enquanto os dele já estão criados e moram na Europa”, denunciou ao microfone a comerciária V.L.. Ela ressaltou que não é um caso isolado: “Tem caso de funcionária demitida grávida, funcionárias que trabalharam onze anos e foram demitidas sem os últimos três salários. Enquanto isso ele tá na Europa, vai pra Índia, viaja pra fora duas vezes por ano e não tem dinheiro pra pagar a gente. A Justiça também não acha dinheiro nas contas dele”.

O protesto foi acompanhado pelos diretores sindicais Josué Ribeiro, Douglas de Freitas, Marcelo Black e Edson Machado. Esse último, que coordena o Departamento Jurídico, disse que mais de 40 comerciárias que se dizem prejudicadas pela Dimpus já procuraram o Sindicato para pedir orientação. Todas estão recebendo assistência gratuita e especializada. “Já estamos tomando providências. Se a empresa ficou mesmo devendo, vai ter que indenizar, pagar tudo com juros, multa e correção. O desrespeito às leis trabalhistas não pode ficar impune”, comentou o presidente do Sindicato, Márcio Ayer.

Repórter Comerciário – Você também já sofreu ou soube de alguma injustiça no comércio? Faça uma denúncia, procure nosso Departamento Jurídico ou conte sua história com detalhes que a gente publica aqui.

Leia também: Ex-funcionários cobram calote da Dimpus