Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Dobras excessivas irritam trabalhadores de frente de loja e açougue

Operadores de caixa, empacotadores e açougueiros de Miguel Pereira e Paty do Alferes já não aguentam mais serem explorados pelos patrões do Bramil. Com a concorrência bombando   recentemente foi inaugurada loja de uma grande rede de supermercados na região , o supermercado resolveu aumentar a jornada de trabalho de comerciárias e comerciários, sem pagar pelas compensações. Diretores do Sindicato amanheceram hoje (21) na porta do mercado para conversar com comerciários e pressionar os patrões para negociação. 

“Se não quer perder cliente, contrate-se mais comerciários pra dar cabo do serviço. Dois turnos seriam um bom início de conversa com os patrões. O que não pode é eles ficarem esticando o expediente de comerciários pra lucrarem mais e não remunerá-los por isso!”, Márcio Ayer, presidente do Sindicato.   

Desde o final do ano passado, o Sindicato vem recebendo denúncias  dos trabalhadores e por isso vem tentando dialogar com a empresa, mas parece que os patrões optaram por empurrar com a barriga o que é de urgência para comerciários. “Da última vez que insistimos por uma reunião para regularizar a situação, o Bramil disse que só tinha agenda pra depois do Carnaval”, informa o diretor Marcelo Bizerra.

Folia pra quem, cara pálida?

Enquanto patrões querem pular Carnaval, comerciários estão cumprindo jornadas de até 14h por dia. E o pior: “essas horas vão pra um banco maluco que depois ninguém se entende e os trabalhadores ficam a ver navios. Exaustos e sem dinheiro no bolso!”, dispara o diretor Bruno Baldez, que é açougueiro do Bramil.


Sem falar nas denúncias que recebemos sobre o almoço que os patrões deixaram de dar aos domingos para alguns comerciários. Com o aumento da demanda, trabalhadores que estavam de folga também foram “convidados” a se apresentarem na loja. Para evitar retaliações, muitos foram e alguns ainda ficaram de barriga vazia. Assim não dá!