Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Diretoria do Sindicato debate conjuntura do país

O vice-presidente nacional da CTB, Nivaldo Barbosa, contribui com a análise da diretoria do Sindicato sobre o momento político do Rio, do país e do mundo. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

O vice-presidente nacional da CTB, Nivaldo Barbosa, contribui com a análise da diretoria do Sindicato sobre o momento político do Rio, do país e do mundo. Foto: Rafael Rodrigues/ Comerciários

Os sindicatos devem estar sempre atentos ao que acontece no universo da política, porque é nele que, na maioria das vezes, se decide a conquista ou a perda de direitos para os trabalhadores. Cientes disso, todos os 30 diretores e diretoras do Sindicato dos Comerciários do Rio participaram nessa quinta-feira (11/11) de um seminário interno para discutir o momento político do Rio, do Brasil e do mundo à luz dos interesses da classe trabalhadora.

O seminário contou com a participação especial de Nivaldo Barbosa, vice-presidente nacional da Central das Trabalhadoras e Trabalhadores do Brasil (CTB), central sindical à qual o Sindicato é filiado. Coube ao dirigente apresentar uma ampla avaliação de conjuntura, na qual destacou o conjunto medidas, também conhecido como pacote de maldades, que foi colocado na agenda política do país pelo ilegítimo presidente Michel Temer e seus aliados nos setores mais reacionários das elites. “Apesar da resistência popular, foi consumado e consolidado o golpe de estado que interrompeu o ciclo de avanços democráticos e sociais em nosso país. Os setores progressistas da sociedade agora se organizam para resistir à agenda Temer”, disse Barbosa na abertura de sua fala.

Ele destacou como principais pontos dessa agenda os projetos em tramitação no Congresso para: permitir a ampla terceirização da mão-de-obra; reformar a Previdência com regras prejudiciais aos trabalhadores; congelar os gastos públicos por 20 anos (incluindo investimentos em Saúde, Educação e valorização do salário mínimo, apontado como principal fator para a redução das desigualdades); criar um novo marco regulatório do petróleo, sob medida para atender os interesses das empresas estrangeiras; conduzir uma reforma política desenhada com o objetivo não confessado de liquidar os partidos ideológicos à esquerda e, assim, enfraquecer a resistência popular; e fazer com que a negociação direta entre patrões e empregados prevaleça sobre a CLT, o que, diante de uma correlação de forças desigual, poderá forçar os trabalhadores a aceitar perdas de direitos e reajustes de salários abaixo da inflação.

Ameaças à classe trabalhadora – “O pacote de maldades de Temer é ainda mais nocivo do que a agenda neoliberal de FHC”, comentou Barbosa no fecho de sua análise, que norteou as discussões na continuação do seminário. A avaliação do quadro político ficou ainda mais completa com a apresentação de Carolina Gagliano, técnica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), sobre as “ameaças aos trabalhadores” em tramitação no Congresso Nacional. Ela esmiuçou cada um dos projetos com os quais, na Câmara ou no Senado, a base de sustentação de Temer ameaça os trabalhadores, seja com perda/flexibilização dos direitos trabalhistas, seja com a entrega das riquezas e a submissão da soberania do país às empresas e governos estrangeiros.

“Se alguém ainda estava confuso se foi golpe, a agenda Temer veio para acabar com as dúvidas. As forças democráticas, os sindicatos e os movimentos sociais vão continuar mobilizando a sociedade para resistir, buscando criar uma nova consciência de que há um golpe em curso, que atinge de forma sórdida os interesses nacionais, as conquistas e direitos da classe trabalhadora”, comentou o presidente do Sindicato, Márcio Ayer, ao final dos debates. A próxima reunião para análise de conjuntura entre os diretores ficou marcada para o dia 6/12.