Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Comerciários querem supermercados fechados aos domingos

A presidenta interina do Sindicato, Alexsandra Nogueira, solta o verbo durante atividade em São Cristóvão: “No domingo dos outros é refresco!” Imagem: Rafael Rodrigues/ Comerciários

Saiu no jornal Extra desta segunda-feira (23/7): “As lojas de departamentos e supermercados poderão fechar as portas aos domingos, caso seja ouvida uma antiga reivindicação do Sindicato dos Comerciários do Rio. A entidade garante que não é um dia em que ocorra pico de venda. E lembra que o consumidor se adapta às mudanças. Em alguns estados, como o Espírito Santo, onde o funcionamento dos mercados aos domingos está suspenso desde 2008, as vendas não diminuíram e também não ocorreu desemprego’, argumenta a presidenta interina do Sindicato, Alexsandra Nogueira”.

O “bonde” do Sindicato na Campanha Salarial 2018, durante atividade em supermercado no Centro. Imagem: Rafael Rodrigues/ Comerciários

Entrevista na CBN – A informação logo repercutiu e a presidenta também foi ouvida, em longa entrevista, pela rádio CBN. Ela listou outros dados contra a abertura aos domingos, que faz parte da pauta de reivindicações dos comerciários na Campanha Salarial 2018. Confira:

  • Não gera empregos – Para a maioria dos supermercados, as vendas não compensam os encargos trabalhistas com a contratação de novos funcionários. É mais fácil aumentar as horas extras de quem já está na empresa. Quando muito são contratados temporários ou intermitentes, com direitos trabalhistas precarizados;
  • Não aumenta vendas – Estudos científicos comprovam que a abertura dos supermercados aos domingos não aumenta o total das vendas. O que muda é o padrão de distribuição entre os dias da semana, com aumento das vendas aos sábados e domingos e redução às quintas e sextas-feiras;
  • Sacrifica o trabalhador – Embora o comércio aberto seja uma comodidade para os consumidores, é preciso considerar que o conforto de alguns é pago com o sacrifício de muitos trabalhadores. Vale lembrar que o comércio é o setor com maior proporção de trabalhadores que excedem a jornada legal de 44 horas semanais;
  • Prejudica mães trabalhadoras e seus filhos – É completamente diferente o acesso à creche das mães que trabalham aos domingos. Como a creche funciona de segunda a sexta-feira, fica estabelecido um problema para a mãe no cuidado de seus filhos durante os finais de semana;
  • Prejudica convívio cultural e religioso – Para muitos comerciários há a questão religiosa, sobretudo para os cristãos. No respeito à liberdade religiosa e pelo bem comum de todos, devemos nos esforçar pelo reconhecimento dos domingos como dias sem trabalho no comércio. Até o papa Francisco já disse: “Mesmo que os pobres precisem de trabalho, abrir as lojas e outros negócios aos domingos como uma forma de criar empregos não é benéfico para a sociedade”.
  • Observada pelo diretor Marcelo Max, a presidenta Alexsandra discursa em frente a supermercado em Copacabana. Imagem: Rafael Rodrigues