Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Di Santinni aceita negociar benefícios para funcionários

Representantes da Di Santinnni ouvem o diretor José Cláudio de Oliveira, à esquerda. Ao fundo o presidente Márcio Ayer

Representantes da Di Santinnni ouvem o diretor José Cláudio de Oliveira, à esquerda. Ao fundo o presidente Márcio Ayer

Representantes da rede de sapatarias Di Santinni participaram de reunião nesta terça-feira (27) no Sindicato com o presidente Márcio Ayer, o diretor José Cláudio Oliveira e a coordenação jurídica da entidade. Vieram pedir a renovação do banco de horas aplicado pela empresa.

O presidente Márcio Ayer esclareceu que o Sindicato tem posição contrária ao banco de horas por considerá-lo lesivo aos trabalhadores. “Quando o trabalhador extrapola o horário, tem o direito de receber pelas horas extras. Existem problemas nos bancos de horas. Um deles ocorre quando o trabalhador é demitido no meio do banco de horas e perde as horas trabalhadas a mais. Também recebemos uma enxurrada de denúncias de comerciários quanto ao controle das anotações nos bancos de horas, que seria falho em muitas empresas e traria prejuízos aos trabalhadores”, explicou o presidente. Márcio falou ainda sobre uma série de benefícios importantes para os trabalhadores que precisam ser discutidos entre o Sindicato e a empresa, como o vale-refeição e o auxílio-creche.  

Proximidade – O diretor José Cláudio Oliveira aproveitou a oportunidade para dar aos representantes da empresa um panorama sobre o novo momento do Sindicato, que busca uma relação mais próxima com as empresas com o objetivo de alcançar melhores condições de trabalho para seus funcionários. Ele falou ainda sobre a importância de ser firmado um compromisso entre Sindicato e empresa pela manutenção dos empregos e para evitar “as opressões a que os trabalhadores estão sujeitos, como o assédio moral, que acontecem muitas vezes sem o conhecimento das próprias direções das empresas”.

Em resposta, os representantes da Di Santinni disseram que a empresa tem o compromisso de proporcionar melhores condições de trabalho e que, nesse sentido, está disposta a aprofundar as conversas com o Sindicato. “O momento econômico é delicado, mas a empresa tem vontade de melhorar os benefícios. Vamos analisar as propostas do Sindicato para apresentar uma contrapartida à renovação do banco de horas”, disse uma das representantes.