Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Comerciários RJ se filia à Federação Sindical Mundial

midia ninja7

Ato Mundial Anti-imperialista. Foto: Midia Ninja

A diretoria do Sindicato dos Comerciários participou de três importantes eventos sindicais semana passada em São Paulo (SP): o II Conselho Nacional da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), à qual o Sindicato é filiado desde o início da nova gestão; o Simpósio Sindical Internacional e o Ato Mundial Anti-imperialista. Juntos, os encontros reuniram centenas de lideranças sindicais de todo o Brasil e de pelo menos 35 outros países.

Foram dias de intensos debates sobre o mundo do trabalho, a conjuntura nacional e o cenário mundial. A agenda foi aberta na terça-feira (29) com o II Conselho da CTB, que foi encerrado na quinta (1º) com a publicação da resolução política “Democracia e Desenvolvimento com valorização do trabalho”. O documento vai nortear as atividades da Central nos próximos dois anos. “A resolução está em sintonia com o momento político e econômico do país. Mostra os caminhos e traz um plano de lutas para que as entidades sindicais sejam capazes de enfrentar a conjuntura de crise defendendo os empregos e valorizando o trabalho”, explicou o presidente Márcio Ayer.

Unidade classista – A data de encerramento do Conselho coincidiu com a abertura do Simpósio Sindical Internacional, no qual o secretário-geral da Federação Sindical Mundial (FSM), George Mavrikos, conclamou à solidariedade entre os trabalhadores de todo o mundo para fazer frente à profunda crise internacional que ameaça as vidas e os empregos de milhões de pessoas. O presidente da CTB, Adilson Araújo, denunciou as ameaças imperialistas aos povos e também manifestou necessidade de unidade da classe trabalhadora. “Diante deste cenário de crise do capitalismo os trabalhadores e os movimentos sociais cobram uma resposta contundente para promover a ruptura com este sistema perverso”, disse.

No sábado (3), data em que foi comemorado o 70º aniversário da FSM, aconteceu no Vale do Anhangabaú, no Centro de São Paulo, o Ato Mundial Anti-imperialista. O protesto político-cultural reuniu representantes de centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais de todo o mundo. Ao final, foi lida a Carta de São Paulo, manifesto anti-imperialista em defesa das forças democráticas e da autodeterminação dos povos, que coloca o movimento sindical brasileiro na linha de frente da luta mundial dos trabalhadores contra a barbárie capitalista.

Filiação à FSM – O presidente Márcio Ayer aproveitou a oportunidade para anunciar a filiação do Sindicatos dos Comerciários do Rio à Federação Sindical Mundial: “A gente não aceita que o trabalhador pague novamente por uma crise que não é de sua responsabilidade. A FSM promove algo que a gente acredita: a união dos trabalhadores de todo o mundo contra a ofensiva neoliberal. O que é fundamental nesse momento em que a classe trabalhadora é novamente ameaçada por uma crise do capitalismo. Os trabalhadores do comércio do Rio já estavam na luta em defesa da democracia e contra a tentativa de golpe orquestrada no Brasil. A partir de agora se incorporam também à  luta anti-imperialista e pela autodeterminação dos povos no mundo”, disse.

Paralelamente, na Avenida Paulista, manifestações em defesa da Petrobras – que também comemorou seu aniversário no sábado (62 anos) – fizeram parte dos atos públicos do Dia Nacional de Luta da Frente Brasil Popular, realizados em mais de 30 cidades do país. Organizada pelas centrais sindicais e movimentos sociais de diversos setores, a Frente Brasil Popular defende a democracia, é contra a tentativa de impeachment e quer o fim das políticas econômicas de ajuste fiscal que penalizam os trabalhadores.

Sobre a FSM – Criada em outubro de 1945, em Paris, com a participação de organizações nacionais de 55 países e 20 organizações internacionais, a Federação Sindical Mundial hoje representa 80 milhões de trabalhadores e trabalhadoras em 120 países. Sua sede está localizada em Atenas, na Grécia.

midia ninja5

Ato Mundial Anti-imperialista. Foto: Midia Ninja

midia ninja4

Ato Mundial Anti-imperialista. Foto: Midia Ninja

midia ninja3

Ato Mundial Anti-imperialista. Foto: Midia Ninja

midia ninja

Ato Mundial Anti-imperialista. Foto: Midia Ninja

Filiação do SECRJ à FSM

Momento da filiação do Sindicato dos Comerciários do Rio à Federação Sindical Mundial. Na imagem, o presidente Márcio Ayer (de amarelo), tendo ao lado a diretora de Administração Ana Paula Costa, cumprimenta o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo (de amarelo)

CTB9

Dirigentes da CTB e diretores do Sindicato dos Comerciários RJ

CTB7

Da esquerda para a direita o secretário de Finanças José Cláudio de Oliveira, o secretário geral Marcelo Black, o diretor jurídico Edson Machado e o delegado sindical Marcelo Bizerra

CTB6

Da esquerda para a direita a vice-presidente Alexsandra Nogueira e as diretoras Daniele Moretti e Sônia da Silva. Na extrema esquerda o diretor Bruno Baldez

CTB5

Em primeiro plano, à esquerda, o presidente da CTB-RJ Ronaldo Leite. Atrás dele, de camisa listrada, o diretor de Finanças José Cláudio de Oliveira

CTB4

A diretora de Finanças Ana Paula Costa na mesa do Ato Mundial Anti-Imperialista

CTB2

O presidente Márcio Ayer discursa durante o Ato Mundial Anti-Imperialista

CTB

Parte da delegação do Sindicato (a partir da esquerda): a vice-presidente Alexsandra Nogueira, o secretário de Finanças José Cláudio de Oliveira, o diretor Bruno Baldez, o secretário geral Marcelo Black (agachado), o diretor jurídico Edson Machado, o presidente Márcio Ayer e a diretora Daniele Moretti