Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Comerciários rejeitam criação de sindicato dos supermercados

Em Assembleia, trabalhadores do comércio votaram contra a criação do Sindisuper. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

Em Assembleia, trabalhadores do comércio votaram contra a criação do Sindisuper. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

Em histórica Assembleia realizada na noite da última quarta-feira (7/12), na sede do Sindicato dos Comerciários do Rio, a categoria disse um sonoro NÃO ao pedido de registro ao Sindicato dos Trabalhadores em Supermercados e Shopping Centers do Estado do Rio de Janeiro (Sindisuper), iniciativa que vem sendo articulada por pessoas ligadas aos patrões do comércio. Os comerciários presentes votaram contra a criação da nova entidade e, por unanimidade, autorizaram o Departamento Jurídico do Sindicato a ingressar na Justiça com ação declaratória desconstitutiva do Sindisuper.

“Nós trabalhadores comerciários nos opomos veemente a essa tentativa absurda de enfraquecer nossa luta. Vamos continuar firmes em defesa da unidade de representação da categoria, porque a fragmentação só favorece os patrões”, afirmou o secretário-geral do Sindicato, Marcelo Black. Ele conduziu a Assembleia na ausência do presidente Márcio Ayer, que estava em Brasília, reunido com outras lideranças sindicais, na articulação de estratégias para barrar a retirada de direitos trabalhistas por meio da reforma da Previdência e alterações nas regras da CLT.

Na avaliação geral dos diretores e trabalhadores presentes, as grandes mobilizações da última campanha salarial assustaram os patrões do comércio, que estavam acostumados com a bajulação do Sindicato durante os anos Mata Roma. Por este motivo, voltaram a estimular a criação do Sindisuper, numa clara tentativa de enfraquecer o movimento dos comerciários. As pessoas por trás da iniciativa nunca tiveram ligação nenhuma com a categoria. Além disso, o primeiro pedido registro da entidade no Ministério do Trabalho foi negado exatamente pelo fato de já existirem sindicatos que representam os trabalhadores de supermercados e shopping centers, que são os sindicatos de comerciários.

Jacaré – A primeira assembleia para criação do Sindisuper aconteceu em 2009. Na ata, não há registro da participação de ninguém da categoria, nenhum comerciário, o que demonstra claramente que o objetivo não era fortalecer a luta destes trabalhadores, mas sim criar um sindicato cartorial para trabalhar em favor dos interesses dos próprios supermercados e shoppings. As assembleias para ratificação da entidade foram realizadas na perigosa comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, onde, reza a lenda, os traficantes de drogas alimentam um jacaré com os corpos dos seus inimigos. Fizeram as assembleias nesse local justamente para o comerciário não ir. Não é coisa de quem quer construir um sindicato de verdade.

Toda a diretoria do Sindicato dos Comerciários se manifestou contra a iniciativa. “Não podemos ter uma categoria dividida, o que só seria bom para o patrão e para um punhado de oportunistas, que nem comerciários são, e só querem se dar bem”, comentou a diretora Daniele Moretti. “É mais um golpe que querem aplicar, como parte de uma agenda dos ricos e dos conservadores para acabar com os direitos trabalhistas. Quem está por trás disso é financiado pelas grandes redes do varejo”, observou o diretor Marcelo Max.

O presidente da seção fluminense da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-RJ), Ronaldo Leite, que também participou da Assembleia, situou a luta do Sindicato dos Comerciários pela manutenção da unidade da representação da categoria no momento de crise política enfrentado pelo Brasil: “Vivemos um momento de defensiva histórica da luta dos trabalhadores, por conta do golpe que colocou na agenda política do país medidas para retirada de direitos. É um momento de muita resistência. Tenho certeza de que essa categoria que hoje se levanta, vai estar presente nas lutas contra o retrocesso”.

Da esquerda para a direita os diretores Marcello Max, Rosângela Rocha, José Cláudio de Oliveira, Marcelo Black, Edson Machado e o presidente da CTB-RJ, Ronaldo Leite. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

Da esquerda para a direita os diretores Marcello Max, Rosângela Rocha, José Cláudio de Oliveira, Marcelo Black, Edson Machado e o presidente da CTB-RJ, Ronaldo Leite. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

b93a1473

Em processo de votação. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários

b93a1498

Diretores e comerciários ao final da Assembleia. Imagem: Wellington Santos/ Comerciários