Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Comerciários de Miguel Pereira e Paty também aprovam pauta

assembleia MP 5

Na extensão da Assembleia Geral do SECRJ realizada na última quinta-feira (30) no Estrela Futebol Clube, em Miguel Pereira, os comerciários da cidade e da vizinha Paty do Alferes confirmaram por unanimidade a pauta de reivindicações da categoria. Conduzida pelos diretores Fabio Silva e Bruno Baldez, a Assembleia prestou esclarecimentos aos comerciários da região sobre o processo de reabertura das negociações com os sindicatos patronais.

Os principais pontos debatidos foram o reajuste com ganho real nos salários, o aumento do piso da categoria, a redução da jornada de trabalho, o fim do banco de horas, bem como o auxílio-alimentação, o auxílio-creche, o plano de saúde e seguro de vida. Além disso, também foram aprovados os seguintes pontos para a negociação com o patronato: garantia de emprego nos 24 meses anteriores à aposentadoria, benefícios integrais aos empregados menores de idade e garantia de emprego às gestantes nos seis meses após licença maternidade.

A Assembleia também aprovou a autorização da cobrança da contribuição confederativa, com um percentual de 6%, dividido em duas parcelas de 3% nos meses de setembro e novembro de 2015, nos moldes e percentuais que vinham sendo praticados nos anos anteriores.

Os comerciários de ambos os municípios expuseram uma série de problemas que serão levados em consideração nas negociações com os sindicatos patronais locais, dentre as quais jornadas excessivas, não pagamento de horas extras, problemas com banco de horas e insalubridade em alguns estabelecimentos. Em resposta, os diretores reforçaram a importância das reclamações serem apresentadas na forma de denúncias formais ao SECRJ, para que o Sindicato tenha mais respaldo para apurar as irregularidades e, quando for o caso, punir os empregadores e exigir o cumprimento da legislação.

Leia também: Assembleia aprova pauta de reivindicações