Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Loungerie com irregularidades à mostra

Reprodução da internet.

Reprodução da internet.

A grife de moda íntima Loungerie, que possui três lojas no Rio, trata suas trabalhadoras de forma indecente. Acionado por denúncias, o Sindicato dos Comerciários do Rio constatou uma série de irregularidades nas lojas da marca no Barra Shopping, Leblon e Shopping Rio Sul. Segundo as denúncias, as funcionárias sofrem assédio moral e a empresa não paga o descanso semanal remunerado das gerentes.

A fiscalização constatou que a empresa continua aplicando o Banco de Horas, mesmo com a convenção coletiva expirada. Verificou ainda que as funcionárias exercem funções que não constam nos seus contratos de trabalho, como vendedoras que lavam banheiro e fazem funções de caixa, e operadoras de caixa sendo obrigadas a realizar transporte de valores. Nesse último caso, colocando em risco a vida das funcionárias.

A advogada da Loungerie que veio ao Sindicato nessa sexta-feira (21) para prestar esclarecimentos tentou tapar o sol com lingerie e negou todas as denúncias. Pior, o jurídico da empresa teria orientado as gerentes a dificultar a fiscalização do Sindicato não entregando a documentação solicitada. “Trabalho há mais de 20 anos no comércio. Já me submeti a muita injustiça porque não havia um Sindicato atuante para defender meus direitos. Só que isso mudou e os patrões precisam se acostumar. Tentar barrar a fiscalização, como fez a Loungerie, é uma prática antissindical grave. Demonstra culpa no cartório. Não vai ficar por isso mesmo”, comentou indignado o secretário-geral do Sindicato, Marcelo Black, que também é vendedor da loja Reserva e participou da reunião.

“Fiscalizar as condições de trabalho no comércio é um direito garantido ao Sindicato pela Constituição. Vamos enviar denúncia ao Ministério Público do Trabalho e à Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego (SRTE) para que a empresa seja multada. Também vamos pedir uma mesa de conciliação, para exigir que a Loungerie ajuste sua conduta. Se a empresa não passar a respeitar os direitos das funcionárias, pode esperar manifestações na porta de suas lojas”, disse o presidente do Sindicato, Márcio Ayer.