Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Apesar do lucro monstro, grandes redes usam discurso da crise para demitir

Infografico_Adaptado_As-8-maiores-do-Varejo-Brasileiro454 bilhões no bolso e tá em crise!? #NãoMeteEssaPatrão! Apesar do enorme lucro no ano passado, grandes redes de varejo querem usar o discurso da crise para demitir e aumentar lucros.

Jornal do Comerciário, edição nº 9 – A crise parece ser uma boa para os patrões mal intencionados. A grande maioria dos que estão demitindo quer, na verdade, reduzir o número de trabalhadores e aumentar a carga de trabalho dos que vão ficar. Isso é exploração! “O Sindicato não vai aceitar isso. Vamos nos unir ao Ministério Público do Trabalho e fiscalizar os abusos cometidos contra o trabalhador e a ordem econômica do país,” adverte o presidente do SECRJ, Márcio Ayer.

Não existe motivo para demissões no varejo, principalmente nas grandes redes. Segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), as 250 maiores redes de varejo no Brasil tiveram em 2014 um faturamento de R$ 454 bilhões. Os dados do IBGE confirmam que os patrões estão lucrando alto. Segundo o Instituto, só no ano passado o setor do comércio no Brasil faturou R$ 1,23 trilhões. Uma fortuna que equivale, por exemplo, à soma de todas as riquezas do Chile, Uruguai e Paraguai no ano passado.

É muita grana para dizer aos trabalhadores que não tem como dar aumento com ganho real, vale refeição, auxílio creche e tantos outros direitos que representam muito pouco diante da pilha de dinheiro que eles ganham,” acrescenta o presidente do SECRJ.

Demissões para reduzir salários – A razão para as demissões nas grandes redes não é a crise, mas a necessidade de baixar custos com os funcionários mais antigos e evitar rescisões de contrato mais caras em um futuro próximo. Segundo  o presidente da CTB-RJ, Ronaldo Leite, muitas empresas praticam a “teoria dos nove meses”, forçando demissões para contratar funcionários com salários menores. “Existe uma prática nas empresas que é criminosa. Usam a crise e as demissões para praticar assédio moral contra os trabalhadores,” destaca o dirigente.

Segundo o delegado sindical do SECRJ Marcelo Bizerra basta observar o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), para verificar que a variação entre o número de admitidos e demitidos é muito pequena, o que prova que as empresas não estão reduzindo de tamanho, mas explorando mais. “Não temos supermercados ou lojas das grandes redes fechando, eles só estão reduzindo o número de trabalhadores. Crise para os patrões é isso. É o que eles chamam de oportunidade, mais dinheiro para eles e menos para os funcionários. Nosso sindicato não vai permitir esses abusos contra o trabalhador,” afirma Marcelo.