Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Casa Cruz complica homologação de 250 demitidos

Ex-funcionários em conversa no Departamento Jurídico do Sindicato. Foto: Dara Bandeira/ Comerciários

Uma das mais tradicionais lojas do Rio, a papelaria Casa Cruz fechou todas as suas unidades este mês. Deixa extensa lista de dívidas trabalhistas com seus 250 ex-funcionários: salários de julho e agosto não pagos, rescisão de contrato pendente, vários depósitos em aberto no FGTS e descontos de INSS que, embora tenham saído do bolso do trabalhador não foram parar nos cofres da Previdência. Na semana passada, logo após o anúncio das demissões, a Casa Cruz foi chamada para um papo reto no Sindicato. Prometeram homologar as rescisões para que os funcionários, ao menos, possam sacar o FGTS e dar entrada no Seguro Desemprego. A homologação feita com ressalvas permitiria que os comerciários possam, com apoio do Sindicato, cobrar na Justiça o pagamento das verbas rescisórias. Só que até agora a empresa não fez a sua parte.

“Os trabalhadores não conseguem receber e o momento é de grande dificuldade para se recolocar no mercado. A situação ameaça até a segurança alimentar dessas 250 famílias. Não dá para esperar. As homologações precisam sair logo para que o pessoal possa aliviar a situação com o Seguro e o Fundo de Garantia. Vamos jogar duro com a Casa Cruz na Justiça. Se a empresa não tiver dinheiro, vamos cobrar que os sócios respondam com seu patrimônio”, diz o presidente do Sindicato, Márcio Ayer.

Na última quinta-feira (21/9), o Departamento Jurídico se reuniu com mais de 150 funcionários que vieram à sede do Sindicato agendar o atendimento para dar entrada na ação trabalhista. Os funcionários poderão também, individualmente, cobrar outras questões trabalhistas da empresa, como pagamento de férias e horas-extras em atraso e indenizações pelo trabalho em desvio de função. “Esperamos liberar nos próximos dias, em parceria com o Ministério do Trabalho, uma declaração que garante que os funcionários podem ser contratados por outras empresas, mesmo sem a baixa na carteira. Além disso, fomos alertados que havia outras irregularidades na papelaria. Por isso a necessidade de tratar das particularidades de cada comerciário. Esses atendimentos já foram agendados para agilizar. Nosso intuito é amenizar ao máximo o rombo que a Casa Cruz deixou”, conta o diretor jurídico do Sindicato, Edson Machado.

“A gente precisa achar uma forma de começar de novo. É uma situação triste e só não é tão desesperadora porque fomos amparados pelo Sindicato. O desejo que fica agora é de conseguir logo uma vaga, me recolocar no mercado e acompanhar as melhorias que eu quero muito acreditar que vão vir para quem trabalha no comércio. Isso tudo enquanto a gente espera a justiça ser feita”, conta A.F.D, ex-funcionária da Casa Cruz.