Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Atacadistas de material de construção definem reivindicações

Diretores do Sindicato apresentaram panorama atual das negociações no comércio

 

Os comerciários atacadistas de material de construção aprovaram por unanimidade na noite de terça-feira (04/09) a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2018. Dentre os pontos estão o reajuste de 8% nos salários, piso de R$ 1.242,00, R$25 de auxílio refeição diário, garantia do comissionista no valor de R$ 1.366,20, além de cláusulas como licença paternidade de 20 dias e homologações de contrato feitas junto ao sindicato laboral. A partir de agora, o Sindicato vai chamar os patrões para começar as negociações.

“As negociações da Campanha Salarial deste ano não estão fáceis, além de todo choro anual dos patrões, temos também a Reforma Trabalhista que retira direitos dos trabalhadores. A única forma de nos protegermos desses abusos é construindo uma convenção coletiva forte, que deixe os comerciários blindados contra esses abusos. Vamos juntos rumo à vitória”, garantiu a presidenta Alexsandra Nogueira.

Presidenta Alexsandra Nogueira apresenta o resultado da votação para o comerciários

A assembleia definiu também pontos como a obrigatoriedade das homologações de rescisões de contratos sejam feitas no Sindicato, para impedir fraudes e descontos indevidos. Outra reivindicação da categoria é a garantia de emprego durante os 24 meses anteriores à data em que o comerciário adquire o direito de se aposentar. A única exigência é que esteja na empresa há pelo menos cinco anos. Para aqueles que trabalham como operadores de caixa, a luta é para que o valor da quebra de caixa chegue a 10% dos salários.

Comércio em greve – A luta dos comerciários do Rio que fazem parte de outras bases, como lojistas de shopping e trabalhadores de supermercados, segue firme. Com mais de 20 dias de paralisações em toda a cidade e mais de 4 meses de negociação, os comerciários têm feito as negociações andarem.

“Iniciamos hoje as negociações para esse grupo de trabalhadores, mas estamos desde maio enfrentando os efeitos da Reforma Trabalhista durante a Campanha Salarial. A luta é grande, mas estamos firmes, buscando a valorização e melhores condições de trabalho. É um momento histórico para todos os comerciários e tenho certeza que aqui não vai ser diferente.”, garantiu o presidente licenciado Márcio Ayer, comerciário do ramo de material de construção.