Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Assembleia rejeita 1,5% dos patrões e pede mais pressão

Presidenta Sandra Nogueira na Assembleia de Campo Grande que rejeitou contraproposta dos patrões de 1,5% de reajuste | Foto: Wellington Santos

Os trabalhadores estão ofendidos com a contraproposta mesquinha dos patrões, que além de oferecer reajuste de apenas 1,5% nos salários, querem enfiar goela abaixo dos trabalhadores as maldades da reforma trabalhista. Em votação realizada no último sábado (23/6), em Assembleia na subsede do Sindicato em Campo Grande, a “oferta” dos patrões foi rejeitada pelos comerciários.

A presidenta do Sindicato, Alexsandra Nogueira, destacou que as mudanças que as empresas querem fazer nas Convenções Coletivas de Trabalho (CCTs) são desumanas, como, por exemplo, a redução do horário de almoço para apenas 30 minutos. “Nos supermercados é praticamente impossível chegar até os refeitórios, almoçar e descansar as pernas em apenas meia hora. É inaceitável,” disparou a dirigente no encerramento da Assembleia.

A maioria dos comerciários presentes também quer a elevação da temperatura da Campanha Salarial. “Temos que ir pras lojas convencer nossos colegas de firma de que é preciso radicalizar para que os patrões melhorem a proposta. É melhor lutar agora do que reclamar depois. Se esse esculacho de 1,5% não aumentar, o bicho vai pegar”, completou a operadora de caixa J.M.B., que trabalha em um hortifruti.

Nas lojas e nas ruas – A resposta da categoria será levada aos patrões em novas rodadas de negociação marcadas para esta semana. Nesta terça-feira (26/3) haverá reuniões com o Sindigêneros (supermercados, hortifrutis e mercearias) pela manhã e com o Sindilojas (lojas de shoppings e comércio de rua) à tarde. Na sexta-feira (29/3), será a vez da Fecomércio (outros dez segmentos do varejo e atacado).

O Sindicato também vai intensificar as mobilizações para plenárias e assembleias. Segundo o diretor José Cláudio Oliveira, a categoria está contrariada e exige algum recuo dos patrões. “Quando tomam pé do que querem as empresas, os trabalhadores ficam indignados. Se eles não cederam, o comércio pode até parar”, aposta o diretor.

Na manhã desta segunda-feira (25/6), o Sindicato visitou supermercados em Copacabana para informar os trabalhadores sobre o andamento da Campanha Salarial. Dentre várias lojas, passaram pelo Mundial da R. Siqueira Campos, onde ano passado começou a revolta contra a retirada do adicional de 100% nos feriados. Na ocasião, indignados com as mudanças que fizeram encolher o contracheque, os funcionários fizeram um movimento espontâneo que teve até ameaça de greve. Se os patrões não quiserem ver o mesmo filme, desta vez em todo o comércio, é melhor mudarem o discurso na mesa de negociação.

Diretores do Sindicato realizam mobilização pelas ruas de Copacabana | Foto: Rafael Rodrigues

 

Presidenta Alexsandra Nogueira junto de outros diretores manda papo reto no comércio de Copacabana | Foto: Rafael Rodrigues