Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Assembleia dos trabalhadores da Ricardo Eletro debate demissões na empresa

Assembleia dos trabalhadores demitidos da Ricardo Eletro | Foto: Wellington Santos

Depois de anunciado o processo de recuperação extrajudicial para sanear a empresa, a Ricardo Eletro iniciou um processo de demissão de 20% dos seus funcionários. O Sindicato chegou junto e negociou com os representantes da empresa um acordo coletivo para garantir o pagamento de todos os direitos dos demitidos. A proposta foi aprovada por ampla maioria na Assembleia dos trabalhadores da Ricardo Eletro, realizada na noite de quarta (31) na sede do Sindicato dos Comerciários do Rio, na Lapa.  

Segundo o diretor do Sindicato, Marcelo Max, a entidade buscou saídas para que os demitidos não sejam prejudicados pelas perdas de direitos da reforma trabalhista. “Fazer o acordo que garante direitos e onde o Sindicato vai conferir e homologar cada termo de rescisão foi muito importante. O Sindicato continua na luta para reduzir os impactos da reforma trabalhista no cotidiano dos trabalhadores do comércio. Mas para isso é preciso também fortalecer o sindicato, com mais sindicalizações”, destaca o diretor, que também é funcionário da Ricardo Eletro.

No Rio de Janeiro, a empresa conta com cerca de 600 funcionários, e serão demitidos cerca de 200 trabalhadores, acima da média nacional que é de 20% do quadro. Segundo os representantes da empresa, a Ricardo Eletro não está fechando as portas, mas que até o final da vigência do Acordo pretende se reerguer para voltar a contratar.

Assembleia aprova parcelamentoPara o diretor do Sindicato, Edson Machado, “o parcelamento da rescisão foi o único ponto em que flexibilizamos para garantir que os demitidos tenham seus direitos assegurados”. A empresa garantiu o pagamento de todas as verbas rescisórias, inclusive da multa de 40% do FGTS. O parcelamento será feito em cima do valor do pagamento líquido das verbas rescisórias devido a cada funcionário demitido em até seis vezes. Assim, se o trabalhador demitido que for receber na rescisão de contrato até R$ 3.000 receberá em apenas uma parcela à vista;  de R$ 3.000,01 até R$ 3.500 parcelado em até quatro parcelas; de R$ 3.500,01 até R$ 4.000 em cinco parcelas e acima de R$ 4.000,01 serão 6 parcelas. A empresa assegurou ainda o pagamento mensal das parcelas a partir do dia 18/12, depois em cada dia 18 de cada mês, finalizando a última parcela no dia 17/05/2019. O pagamento será feito através de crédito na conta corrente de cada empregado. Com o Acordo, caso a empresa não realize o pagamento das parcelas, será multada em 50% do valor que ainda será pago a cada demitido.

Outro ponto importante da Assembleia foram as denúncias de perseguições, descontos abusivos e transferências arbitrárias, ponto que gerou a manifestação de vários trabalhadores. Em resposta, a vice-presidente do Sindicato, Alexsandra Nogueira lembrou que “os problemas que cada um apresentar pode ser também o problema de outro companheiro. O Sindicato tem advogados especialistas nos direitos de nossa categoria, assim como um setor específico para receber denúncias de abusos e assédios, que podem ser inclusive anônimas, para que o Sindicato possa atuar”.     

Departamento jurídico – O atendimento é presencial e gratuito, aqui na sede do Sindicato (R. André Cavalcanti, 33 – Lapa), de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h30. Mais informações pelos telefones (21) 3266-4168 ou 3266-4155. Também há atendimento na subsede de Campo Grande (segundas, quartas e sextas-feiras, das 10h às 16h) e do BarraShopping (às quintas feiras, das 9h às 17h). Em Madureira, o atendimento acontece às terças das 9h às 13h e às quintas das 13h às 17h. O endereço é R. Américo Brasiliense, 158. 

Para fazer uma denúncia, relate o problema e informe o nome, endereço e CNPJ da empresa. Pode ser pelo pelo email denuncia@secrj.org.br, pelo telefone (21) 3266-4104 ou pessoalmente no Setor de Denúncias, aqui na Sede do Sindicato (Rua André Cavalcanti, 33 – Bairro de Fátima). Não é preciso se identificar.