Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Menu Menu

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro

Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

Notícias

Artigo: Um balanço positivo num tempo de crise

adilson-araujo-presidente-da-ctb-2015Por Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), à qual o SECRJ é filiado

Concluiu-se no dia 24 de agosto o segundo ano do mandato da diretoria eleita no 3º Congresso da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil). Foram dois anos caracterizados pelo aguçamento da crise e das contradições do sistema capitalista internacional, dos quais extraímos um balanço inegavelmente positivo da trajetória da nossa Central. É a que mais cresceu no país, tendo alcançado um índice de representatividade em torno de 10% na última aferição do Ministério do Trabalho e Emprego.

Temos a convicção de que este avanço resulta da aplicação coerente dos princípios classistas à atuação da CTB, fiel aos interesses da classe trabalhadora, autônoma em relação ao governo, patrões e partidos políticos e unificada em torno da defesa dos direitos sociais, da democracia, da soberania e da valorização do trabalho. Isto se dá muitas vezes em aberta oposição ao sindicalismo pautado na colaboração de classes e ao neoliberalismo, que também tem seus adeptos em nosso meio.

Buscando trabalhar sempre em unidade com as demais centrais e as forças progressistas, respeitando-se a diversidade política e ideológica e o caráter plural do movimento, nossa Central esteve na linha de frente das lutas e mobilizações classistas realizadas no período.

Destaca-se, neste sentido, a mobilização nacional contra a ameaça de terceirização generalizada da economia proveniente do PL 4330, aprovado em primeiro turno na Câmara Federal. A CTB teve e tem papel proeminente nesta batalha (que ainda está em curso), inclusive criticando e denunciando abertamente a conduta traiçoeira e oportunista de algumas lideranças que, não se sabe a troco de quê, capitularam ao poderoso lobby patronal em apoio ao projeto, encaminhado a toque de caixa e de forma autoritária pelo atual presidente da Casa, Eduardo Cunha.

Foi também de maneira firme e sem vacilações que participamos nas manifestações contra o golpismo e a ofensiva da direita neoliberal, em defesa da democracia, da soberania nacional e da valorização do trabalho como a que reuniu centenas de milhares de pessoas em todo o Brasil no dia 20 de agosto.

Tivemos uma presença marcante no 20º Grito da Terra e na Marcha das Margaridas, que levou a Brasília cerca de 70 mil trabalhadores e trabalhadoras rurais no dia 12 de agosto em defesa da democracia, da reforma agrária e do fortalecimento da agricultura familiar.

Obtivemos um grande êxito nas eleições para o Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro, vitória que resgatou a entidade com mais de 400 mil assalariados na base das garras do banditismo e da corrupção e que tem o potencial de alterar positivamente (para os classistas) a correlação de forças no sindicalismo nacional.

A criação do Posto Avançado de Ação Sindical, Social e Institucional (Passi) em Brasília foi um passo importante, que permitirá um acompanhamento mais próximo dos projetos em tramitação no Congresso Nacional, um intercâmbio maior e mais produtivo com os parlamentares comprometidos com os interesses da nossa classe, bem como uma comunicação ágil e dinâmica com o Parlamento.

Adotamos uma posição firme contra o ajuste fiscal e as MPs 664 e 665, que reduzem direitos trabalhistas, assim como na luta para que os ricos paguem a conta da crise com a regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas, que embora previsto na Constituição nunca saiu do papel, a taxação das remessas de lucros e dividendos e uma reforma tributária progressiva.

Também cresce a proeminência da CTB no sindicalismo internacional através do Encontro Sindical Nossa América (Esna) e da Federação Sindical Mundial (FSM), à qual nossa Central está filiada desde sua fundação em dezembro de 2007. Reflexo disto é a reunião que vai comemorar no dia 3 de outubro em São Paulo os 70 anos da federação classista. Na ocasião serão realizados um Simpósio Internacional e um Ato Mundial Anti-imperialista. Nossa Central tem respaldado as iniciativas de integração latino-americana e caribenha, em contraposição ao projeto imperialista dos EUA, e reiterado sua solidariedade com Cuba e a revolução bolivariana da Venezuela.

A CTB completa oito anos em dezembro e já pode ser considerada um projeto sindical consolidado. A atual gestão tem dado ênfase e prioridade a uma ação mais direta da direção nos movimentos, buscando uma maior aproximação com as bases e empreendendo um esforço renovado de mobilização e conscientização da classe trabalhadora. São atitudes indispensáveis para enfrentar os novos desafios, barrar o retrocesso neoliberal e (transformando a crise em oportunidade) criar as condições para concretizar a agenda da Conclat por um Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento com valorização do trabalho, soberania e democracia e abrir caminho no rumo do socialismo.

Adilson Araújo é presidente da CTB